Irã sedia conferência internacional para discutir paz na Síria | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 09.08.2012
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Irã sedia conferência internacional para discutir paz na Síria

País convocou às pressas a reunião, que contou com a presença de mais de 25 nações. Apesar de reunir esforços para um cessar-fogo na Síria, Teerã promete se manter do lado de Assad.

O Irã sediou nesta quinta-feira (09/08) uma conferência sobre a Síria, com o objetivo de acabar com o derramamento de sangue no país e atribuir a Teerã o papel de pacificador do país aliado. Na presença de representantes de mais de 25 nações, o ministro do Exterior, Ali Akbar Salehi (foto), pediu diálogo entre a oposição e o governo sírio.

"A República Islâmica do Irã acredita que a crise síria só pode ser resolvida através de um diálogo sério e inclusivo entre o governo e os grupos de oposição que têm apoio popular no país", disse Salehi no discurso transmitido pela televisão estatal iraniana.

O ministro afirmou que o Irã está pronto para sediar esse diálogo, é contra qualquer intervenção estrangeira e militar na Síria e apoia os esforços da Organização das Nações Unidas (ONU) para solucionar a crise.

Segundo Salehi, o Irã enviou ajuda humanitária à Síria para compensar as sanções internacionais a Damasco, que segundo o ministro, não têm em vista o bem-estar do povo sírio, só aumentaram seu sofrimento.

Os país ocidentais e do Golfo foram excluídos da conferência desta quinta-feira, acusados pelo Irã de apoiar militarmente a revolta sangrenta contra o presidente sírio, Bashar al-Assad.

Os ministros do Exterior do Iraque, do Paquistão e do Zimbábue compareceram ao encontro, de acordo com a emissora estatal. Outros países foram representados por diplomatas de menor escalão, em sua maioria embaixadores. Entre eles estavam Afeganistão, China, Índia, Rússia, Cuba e Venezuela.

Vácuo diplomático

O encontro também contou com a presença da coordenadora da ONU sobre Teerã, Consuelo Vidal-Bruce, que leu um comunicado do secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon:

"Ambos o governo e a oposição continuam a pegar em arms, e tais ações terão consequências trágicas para o povo sírio. Todas as partes têm responsabilidade comum de encerrar a violência e a morte de civis", consta no comunicado.

A convocação da reunião às pressas pelo Irã na segunda-feira parece ter sido uma tentativa de aproveitar o vácuo diplomático deixado pela renúncia do ex-enviado especial da ONU à Síria, Kofi Annan, no último dia 2 de agosto. O Irã, que atribuiu o apoio dos EUA aos rebeldes sírios como razão para a saída de Annan, afirma estar tentando retomar o plano de paz de seis pontos proposto por ele.

Ao mesmo tempo que mostra esforços para estabelecer um cessar-fogo na Síria e um diálogo entre oposição e governo, Teerã promete se manter do lado de Assad. A batalha entre forças do regime e rebeldes já deixou mais de 21 mil mortos no país.

LPF/afp/rtr
Revisão: Francis França

Leia mais