Irã reporta morte de 13 militares na Síria | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 07.05.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Irã reporta morte de 13 militares na Síria

Segundo mídia estatal, consultores da Guarda Revolucionária morreram em batalhas perto de Aleppo. Teerã é o principal aliado regional de Damasco e apoia o regime de Assad com envio de ajuda financeira e militar.

A mídia iraniana relatou, neste sábado (07/05), que 13 consultores militares da Guarda Revolucionária do Irã morreram e outros 21 ficaram feridos em batalhas nos arredores da cidade síria de Aleppo, nos últimos dias.

As agências estatais de notícias IRNA e Fars afirmaram que a batalha ocorreu na aldeia de Khan Touman, cerca de 15 quilômetros a sudoeste de Aleppo, depois de um ataque efetuado por uma coalizão de insurgentes filiados da Al Qaeda conhecida como Jaish al-Fatah, incluindo a Frente al-Nusra.

Em dezembro, tropas pró-Damasco tinham expulsado os jihadistas do vilarejo. Mas na sexta-feira os insurgentes retomaram o controle de Khan Touman, segundo o Observatório Sírio para os Direitos Humanos.

Com base em dados oficiais iranianos, esta foi a maior perda de forças do Irã na Síria dentro de um tão curto espaço de tempo.

A notícia das mortes dos militares iranianos veio na sequência do anúncio de que os EUA e a Rússia concordaram em estender por mais 24 horas um cessar-fogo para incluir Aleppo, cidade no noroeste da Síria e que presenciou centenas de mortes de civis desde que os combatem se intensificaram, em abril.

Fotos dos soldados mortos foram publicadas em redes sociais, mostrando carteiras e dinheiro para provar que eles eram afiliados ao Irã. A Guarda Revolucionária emitiu, em seguida, uma declaração pedindo que a população não ceda às táticas psicológicas de medo dos terroristas.

O Irã é o principal aliado regional da Síria, apoiando o regime do presidente Bashar al-Assad com envio de ajuda financeira e militar, incluindo consultores militares e forças voluntárias oriundas de Irã, Afeganistão, Iraque e Paquistão.

PV/rtr/afp/ap

Leia mais