Irã quer aumentar sua influência na América Latina | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 08.01.2012
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Irã quer aumentar sua influência na América Latina

Presidente Ahmadinejad começa um giro por quatro países com governos de esquerda, numa postura declaradamente anti-norte-americana. Agenda começa pela Venezuela, seu principal aliado no continente. Brasil ficará de fora.

Visita começará pela Venezuela, principal aliado no continente

Visita começará pela Venezuela, principal aliado no continente

O presidente iraniano Mahmud Ahmadijad começa neste domingo (08/01) uma visita de cinco dias a quatro países da América Latina – Venezuela, Nicarágua, Cuba e Equador. Ele buscará reforçar a cooperação política e econômica em nações com poucos laços com os norte-americanos, exatamente num momento em que se vê ameaçado pelo endurecimento de sanções por parte dos Estados Unidos e da União Europeia (UE).

Chamou a atenção o fato de o Brasil, maior economia da América Latina, ficar de fora da agenda oficial do presidente iraniano. Segundo avaliação de Lytton Guimarães, especialista em América Latina da Universidade de Brasília, isso é reflexo da política da atual presidente Dilma Rousseff, muito mais "fria" com relação ao Irã, em comparação à adotada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Lula havia ensaiado uma aproximação com Ahmadinejad

Lula havia ensaiado uma aproximação com Ahmadinejad

"O Brasil não vai atacar, mas também não vai defender o Irã. Vai ter uma posição mais neutra", afirmou o especialista à agência de notícias AFP.

A viagem vai começar por Caracas, onde Ahmadinejad encontra-se com seu principal aliado na região, o presidente venezuelano, Hugo Chávez. Por meio de um comunicado, Chávez destacou a visita do colega iraniano no momento atual, de crescente tensão no Golfo Pérsico, devido à "pressão norte-americana".

Os recentes testes de mísseis de longo alcance no Irã e suas ameaças de bloquear o Estreito de Ormuz, por onde passa 35% do fornecimento mundial de petróleo, são vistas por especialistas como uma resposta de Teerã às recentes ameaças de sanção por parte dos EUA e da UE.

Bomba nuclear

O Irã insiste em continuar com seu programa nuclear, o qual, afirma, não tem finalidade militar. Observadores, porém, não acreditam na declaração oficial.

O especialista alemão em segurança Oliver Thraenert, do Instituto Alemão de Assuntos Internacionais e de Segurança (SWP), sediado em Berlim, acompanha o caso iraniano há anos e ressalta antigas advertências da Agência Internacional de Energia Atômica sobre o interesse do Irã na bomba atômica. "Não sei de nenhum conhecedor da situação que não compartilhe da convicção de que o programa nuclear iraniano tem como objetivo o uso militar. Embora Teerã ainda não tenha se decidido a realizar um teste atômico, como já o fez a Coreia do Norte", afirmou Thraenert em entrevista à Deutsche Welle.

Ele adverte que as ameaças de novas sanções são um grande desafio para a cúpula. Ainda que o Irã conte com outros parceiros comerciais muito importantes como China, Índia e Coréia do Sul, a completa suspensão da importação europeia de petróleo iraniano afetaria gravemente a economia iraniana. Por isso é compreensível que ele busque outros aliados. "O mais importante é garantir que o país não fique completamente isolado", opinou o alemão.

Estratégia de xadrez

Para o cientista político colombiano Roman David Ortiz Marina, da Universidade dos Andes de Bogotá, a viagem de Ahmadinejad à América Latina se encaixa numa estratégia típica do país, há anos. "O objetivo de longo prazo é construir uma estratégia simétrica à que os iranianos percebem que os EUA têm adotado no Oriente Médio. É uma resposta a sua crescente presença militar", afirmou.

Ortiz sustenta ainda que, com presença marcada na América Latina, o Irã busca apenas aliados que o permitam romper com o regime de sanções impostos pela ONU, pelos EUA e pela UE. "O Irã está buscando a capacidade de desenvolver redes de inteligência e terrorismo num espaço onde, se for o caso, possam ser realizados ataques contra os interesses dos Estados Unidos e dos israelenses."

Chávez, um grande aliado

Protesto contra a política atômica do presidente iraniano

Protesto contra a política atômica do presidente iraniano

Neste sentido, Chávez é o grande aliado, que tem ajudado o país do Oriente Médio a expandir sua presença na América Latina. "A diplomacia venezuelana tem desempenhado um papel-chave", afirma Ortiz. O especialista destaca ainda que, apesar de o Irã ser um grande exportador de petróleo, sua capacidade de refinação é muito limitada, por isso um embargo de produtos refinados e uma intervenção militar nas poucas refinarias do país o afetariam gravemente.

Ortiz acredita que um dos objetivos da viagem de Ahmadinejad é forçar alianças. "O Irã busca parceiros que estejam dispostos a firmar acordos de produção de equipamentos militares e pelos quais o país possa exportar produtos iranianos como se fossem deles", ou seja: uma triangulação. Prova disso seria o seu interesse em fechar acordos para estabelecer fábricas de petroquímicos e de munições na Venezuela.

O especialista ressalta ainda que a investida iraniana na América Latina se aproveita de um momento em que os Estados Unidos perdem influência no continente. "A única razão pela qual a Venezuela apoia o Irã é a questão ideológica. Não há nada que venha do Irã que seja realmente importante para a Venezuela", analisa. Segundo o especialista, a aproximação com Teerã gera à Venezuela problemas diplomáticos e traz poucos benefícios. Diferentemente da China, que proporciona créditos milionários aos venezuelanos, ou da Rússia, que lhes vende uma grande quantidade de armamentos.

Autora: Eva Usi / Mariana Santos
Revisão: Augusto Valente

Leia mais