1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Irã envia mais de 11 toneladas de urânio à Rússia

Teerã entrega material atômico de baixo enriquecimento como parte do acordo nuclear assinado com as potências mundiais. Para secretário de Estado dos EUA, John Kerry, ação é "passo significativo" para cumprir requisitos.

default

Imagem de arquivo da instalação atômica de Buschehr

O Irã enviou mais de 11 toneladas de urânio de baixo enriquecimento à Rússia nesta segunda-feira (28/12), como parte de um

histórico acordo nuclear

com as potências mundiais. O secretário de Estado dos EUA, John Kerry, saudou a ação e chamou-a de um "passo significativo" dado por Teerã.

"Um dos passos mais significativos dados pelo Irã em direção ao cumprimento de seus compromissos ocorreu hoje, quando um navio partiu do Irã à Rússia levando mais de 11 toneladas de urânio de baixo enriquecimento", disse Kerry, em comunicado.

O carregamento também incluiu a remoção de todo o material nuclear iraniano enriquecido a 20%, com exceção às placas de combustíveis [nucleares] usadas num reator de pesquisa permitido no âmbito do acordo, segundo o secretário de Estado americano.

"Acredito que esta quantidade constitui praticamente o estoque completo de urânio enriquecido do Irã", disse o porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Mark Toner.

Em troca, Teerã receberá 140 toneladas de mineral de urânio, material que não pode ser utilizado para a fabricação de armas nucleares.

No acordo nuclear, assinado há seis meses entre Teerã e o grupo 5+1, formado por China, Estados Unidos, França, Reino Unido, Rússia e Alemanha, o Irã se comprometeu a limitar suas reservas de urânio enriquecido a 300 quilogramas, a desmantelar dois terços de suas centrífugas e de efetuar alterações no reator de água pesada de Arak para evitar que este produza plutônio.

Assim que a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) confirmar que o Irã cumpriu com todos os requisitos previstos no acordo, as potências mundiais levantarão as sanções internacionais impostas ao país.

PV/lusa/afp/ap/rtr

Leia mais