Irã anuncia inspeção de suas instalações nucleares sem potências ocidentais | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 04.01.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Irã anuncia inspeção de suas instalações nucleares sem potências ocidentais

O Irã anunciou que vai permitir a visita de potências mundiais a suas instalações nucleares. Do grupo 5+1, apenas China e Rússia receberam convites. Estados Unidos, Grã-Bretanha, França e Alemanha não foram convidados.

default

Reator de água pesada em Arak é visto com desconfiança pelas potências ocidentais

O Irã anunciou que vai permitir a visita de potências mundiais a suas instalações nucleares. Do grupo 5+1, apenas China e Rússia receberam convites. Estados Unidos, Grã-Bretanha, França e Alemanha não foram convidados.

O Ministério das Relações Exteriores iraniano anunciou ter enviado convites a representantes de países da União Europeia, do Movimento dos Países Não-Alinhados (MNA) e do grupo 5+1 (EUA, Grã-Bretanha, França, Alemanha, Rússia e China), para visitar suas instalações nucleares, segundo disse à imprensa o porta-voz do ministério, Ramin Mehmanparast.

Mas entre os seis países envolvidos nas negociações sobre o programa nuclear iraniano, apenas Rússia e China foram convidados, segundo fontes diplomáticas ligadas à Agência Internacional de Energia Atômica (IAEA). Entre os outros convidados estão a Hungria – que ocupa no momento a presidência rotativa da União Europeia – Egito, Cuba e representantes da Liga Árabe.

Der Sprecher des iranischen Außenministeriums Ramin Mehmanparast

Ramin Mehmanparast não informou se Estados Unidos serão convidados

"Ainda não recebemos nenhum convite", disse um porta-voz do Ministério alemão das Relações Exteriores, que faz parte do grupo 5+1 das Nações Unidas, com poder de veto no grêmio. Segundo o Itamaraty, o Brasil, que mediou junto com a Turquia um novo acordo nuclear com o Irã em maio de 2010, também não recebeu convite.

Mehmanparast disse a jornalistas que a visita deve ocorrer "antes da reunião em Istambul", cuja data ainda não foi definida. Mas fontes diplomáticas informaram nesta terça-feira (04/01) que, em uma carta datada de 27 de dezembro último, o Irã havia convidado embaixadores para visitar as instalações nucleares em Bushehr e Natanz nos dias 15 e 16 de janeiro. As duas instalações são o ponto central de discussão do programa nuclear iraniano com o Ocidente. A China, aliada e parceira econômica do Irã, confirmou estar entre os convidados.

"A China recebeu o convide por parte do Irã e irá manter a comunicação com o país neste aspecto", disse o porta-voz do ministério chinês das Relações Exteriores, Hong Lei, sem dar mais detalhes. Ele adiantou que todas as partes envolvidas deveriam adotar uma atitude "flexível e prática" para resolver a questão nuclear iraniana.

Ramin Mehmanparast disse que o convite é parte de uma tentativa do governo iraniano de demonstrar "cooperação com a IAEA". Quando questionado se algum representante dos Estados Unidos seria convidado, ele se limitou a dizer que "a lista dos países convidados para a visita será revelada quando for finalizada". Uma reportagem do jornal The New York Times sugere que os Estados Unidos tenham sido desprezados.

Washington tem liderado uma campanha de sanções contra o Irã por causa de seu programa nuclear, que as potências mundiais suspeitam mascarar o desenvolvimento de armas atômicas. Os EUA não descartam um ataque militar para frear o crescente programa nuclear do presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad.

Flash-Galerie Iran Natanz

Para Ocidente, instalações em Natanz escondem projeto de armamento nuclear


Um gesto de boa vontade

"A visita às nossas instalações nucleares mostra mais uma vez a boa vontade do nosso país e a natureza pacífica e cooperativa nas nossas atividades (nucleares)", disse Mehmanparast.

Para Ali Ansari, especialista iraniano da Universidade de St Andrews, na Escócia, o gesto sugere que o ministro das Relações Exteriores do Irã, Ali Akbar Salehi, está tentando melhorar as relações públicas do país. "Mas não acho que ele vá fazer mais do que isso, embora esse seja um passo na direção oposta à retórica de confronto", completa Ansari. A última vez que o Irã organizou uma visita como essa para membros da IAEA foi em fevereiro de 2007.

O Irã e as seis potências mundiais – Grã-Bretanha, China, França, Rússia, Estados Unidos e Alemanha – devem se encontrar para mais uma rodada de negociações sobre o programa nuclear em janeiro. A rodada anterior, que ocorreu após um hiato de 14 meses, ocorreu em Genebra, nos dias 6 e 7 de dezembro.

As negociações buscam verificar se o Irã pretende desenvolver armas nucleares ou se seu objetivo é mesmo apenas fornecer energia para sua população crescente, como insiste o governo em Teerã.

Autor: FF/afp/dpa/ap/Reuters
Revisão: Soraia Vilela

Leia mais