1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Investimentos, apesar da crise

Os problemas enfrentados atualmente pela economia da Alemanha não impedem que o país seja um dos mais atraentes para os investimentos internacionais, ocupando o quinto lugar mundial em 2002.

default

Investimentos estrangeiros: China continua na liderança

De acordo com o estudo divulgado pela consultora norte-americana A. T. Kearny, um total de 38,1 bilhões de dólares em investimentos internacionais foi transferido para a Alemanha no ano passado. Isto representou um aumento de 12% em relação ao ano anterior. A Alemanha ficou em 5º lugar mundial entre os países com o maior volume de investimentos internacionais. E foi também o país que mais atraiu tais investimentos dentro da União Européia.

O aumento da confiança dos investidores na economia alemã é justificado com as medidas iniciadas pelo governo de Berlim, a partir do ano 2000: a reforma tributária e a liberalização dos mercados de telecomunicação e de energia.

EUA: o perdedor

O total mundial de investimentos no exterior teve uma redução drástica no ano passado: 21% a menos que em 2001, caindo de 824 bilhões para 651 bilhões de dólares. O país que mais recebeu aplicações internacionais foi a China, seguida dos Estados Unidos, do México e da Polônia.

Mesmo tendo ficado em segundo lugar, os EUA registraram uma queda extraordinária nos investimentos – de quase 80% em relação a 2001. O estudo explica tal evolução, afirmando que foi motivada pela cautela das empresas internacionais em adquirir firmas americanas.

Emergentes: os ganhadores

Grande aumento das aplicações verificou-se no caso dos países emergentes, como China, México, Rússia, Brasil e também países do Leste europeu. A China já havia superado os Estados Unidos em 2001 e conseguiu não apenas manter a liderança, mas até mesmo ampliar a sua vantagem.

O Brasil logrou retornar à lista dos dez mais, ocupando agora o 9º lugar. No ano passado, tinha ficado em 13ª posição. Pela primeira vez desde 1998, as economias emergentes ocuparam a maioria dos lugares entre os dez mais.

Segundo Paul A. Laudicina, vice-presidente da A. T. Kearney, muitos fatores contribuíram para isto: "Por um lado, as empresas agem de maneira cada vez mais global, a fim de reduzir os custos, espalhar os riscos e tornar seus negócios mais estáveis. Além disto, as economias emergentes estão fazendo grandes progressos na formação profissional e na liberalização do setor de serviços, a fim de atrair os investimentos estrangeiros. Assim, torna-se cada vez mais marcante a tendência do offshoring, ou seja, da transferência de atividades empresariais para lugares mais vantajosos."

A lista dos dez mais

  1. China (1)
  2. EUA (2)
  3. México (9)
  4. Polônia (11)
  5. Alemanha (4)
  6. Índia (15)
  7. Grã-Bretanha (3)
  8. Rússia (17)
  9. Brasil (13)
  10. Espanha (7)

    Entre parênteses, a colocação no ano anterior.

Leia mais