1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Investigadores exigem novas regras para pilotos

Agência BEA divulga relatório detalhado sobre queda do Airbus da Germanwings nos Alpes franceses. Autoridades pedem suspensão do sigilo médico para pilotos que sofrem de transtornos mentais.

Investigadores franceses pediram neste domingo (13/03) medidas regulatórias mais claras com vista à confidencialidade médica do histórico de saúde mental de pilotos, depois de terem revelado que um médico encaminhou o copiloto da Germanwings Andreas Lubitz para um hospital psiquiátrico duas semanas antes da queda da aeronave da companhia aérea alemã Germanwings há quase um ano.

A análise da caixa-preta indicou que o piloto do voo 4U-9525 foi deliberadamente trancado do lado de fora da cabine, e o copiloto pressionou o botão que lançou o avião contra as montanhas alpinas.

De acordo com o relatório divulgado pela agência francesa de investigação da aviação civil BEA, diversos médicos que trataram o copiloto da Germanwings não informaram as autoridades sobre o ressurgimento de problemas de saúde mental, devido aos graves regulamentos de sigilo médico.

Como Lubitz não informou ninguém sobre as recomendações dos médicos, "nenhuma ação poderia ter sido tomado pelas autoridades ou seus empregados para impedi-lo de voar", afirmou a BEA.

Relatórios anteriores mostram que Lubitz sofria de uma grave depressão e pensamentos suicidas. Numa reportagem publicada pelo jornal alemão Bild, o copiloto da Germanwings reclamava de solidão e problemas de sono após se mudar em 2008 para Bremen, onde ele iniciou seu treinamento de piloto junto à Lufthansa.

"Comprometer-me com um tratamento psiquiátrico, depressão grave, sonho de finalizar a formação de piloto", escreveu Lubitz supostamente em seu diário.

"Ato ilegal e voluntário"

Reiterando resultados semelhantes a que chegou a BEA em maio de 2015, os investigadores disseram que Lubitz cometeu um "ato ilegal e voluntário" ao ter "ajustado intencionalmente" o nível de altitude do Airbus 320, aproximando-o de zero para possibilitar uma colisão com o solo.

"A informação inicial da investigação mostra que, durante a fase de cruzeiro, o copiloto estava sozinho no cockpit. Ele então modificou intencionalmente a instrução do piloto automático para fazer o avião descer até colidir com o terreno", afirmou o relatório.

"Ele não abriu a porta do cockpit durante a descida, apesar dos pedidos de acesso feitos através do teclado, do interfone da cabine e de batidas na porta", acrescentou o relatório.

As ações deliberadas de Lubitz no dia 24 de março de 2015 levaram a aeronave a cair perto do vilarejo francês de Le Vernet, matando todas as 150 pessoas a bordo.

Leia mais