1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Esporte

Investigação não descarta compra da Copa de 2006

Auditoria diz não ter provas, mas não descarta a compra de votos para sediar o Mundial da Alemanha. Foco está em pagamento de 6,7 milhões de euros autorizado por Beckenbauer que foi parar na conta de ex-cartola do Catar.

A Federação Alemã de Futebol (DFB) e o escritório de advocacia Freshfields Bruckhaus Deringer divulgaram, nesta sexta-feira (04/03), o relatório de uma auditoria sobre o escândalo envolvendo um misterioso pagamento à Fifa, que, supostamente, teria sido feito para comprar votos na escolha da sede da Copa do Mundo de 2006.

O relatório de 361 páginas concluiu que não há evidências de compra de votos, mas comprova que os 6,7 milhões de euros saíram de uma conta bancária mantida pelo ex-presidente do Comitê Organizador Local (COL) do Mundial, Franz Beckenbauer, e chegaram por meio de intermediários até as mãos do então presidente da Confederação Asiática de Futebol (AFC) Mohammed bin Hammam.

Se por um lado a auditoria é inconclusa para determinar se houve de fato compra de votos, os peritos da Freshfields são categóricos: o suborno também não pode ser excluído. "O pagamento dos 6,7 milhões de euros foi deliberadamente declarados de forma errada", afirmou a Freshfields, que foi contratada pela própria DFB.

O relatório aponta que dois anos após a Alemanha ter sido escolhida sede do Mundial de 2006, em maio e julho de 2002, foram transferidos 6 milhões de francos suíços de uma conta bancária mantida por Beckenbauer em parceria com seu consultor, Robert Schwan, à conta do escritório de advocacia suíço Gabriel & Müller. Este valor foi então repassado para uma empresa no Catar, da qual participava Hammam.

Em agosto daquele ano, o então presidente da Adidas, Robert Louis-Dreyfus, transferiu 10 milhões de francos suíços à conta bancária do mesmo escritório de advocacia Gabriel & Müller. Em setembro, cerca de 6 milhões de francos suíços foram devolvidos à conta de Beckenbauer e Schwan.

No mesmo mês, Gabriel & Müller enviou outros 4 milhões de francos suíços para Hammam, ou seja, no total 10 milhões de francos suíços, o equivalente, na época, a 6,7 milhões de euros. Schwan e Dreyfus não vivem mais.

Supõe-se que o dinheiro foi usado por Hammam na campanha eleitoral do então presidente da Fifa, Joseph Blatter. Além disso, Hammam – influente nos trâmites para levar a Copa de 2022 ao Catar, seu país natal, e expulso da Fifa em 2011 por violar normas de ética da entidade – era na época o chefe do futebol asiático, justamente de onde vieram os votos necessários para derrotar a África do Sul na disputa pela Copa de 2006.

Ainda segundo a auditoria, a DFB acobertou a devolução dos 10 milhões de francos suíços. Em 2005, a federação transferiu o montante à Fifa. O dinheiro foi declarado como um pagamento para um evento cultural durante o Mundial que nunca foi realizado. Ainda no mesmo dia, a Fifa redirecionou o montante para uma conta bancária de Dreyfus.

No entanto, o relatório da Freshfields é inconclusivo e não responde se houve de fato a compra de votos. Os advogados admitiram ter sido impossível realizar uma investigação completa, já que muitos documentos desapareceram na DFB e muitas testemunhas do alto escalão, incluindo Blatter, não quiseram ser questionados.

"Não pudemos falar com todos aqueles que gostaríamos conversar e não pudemos analisar cerca de cem arquivos", comunicou a Freshfields. Aparentemente o ex-presidente da DFB Wolfgang Niersbach teria sumido com documentos que teriam informações determinantes.

Por outro lado, o relatório afirmou também que não há provas de que Niersbach sabia do caso antes de 2015. Devido ao escândalo, o ex-presidente

renunciou

ao cargo em novembro.

Cerca de 30 advogados da Freshfields analisaram documentos e e-mails na sede da DFB, em Frankfurt, desde que a tarefa foi entregue ao escritório de advocacia em outubro.

PV/dpa/afp/rtr/dw

Leia mais