Interesses econômicos acompanham visita de Merkel ao Brasil | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 15.05.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Interesses econômicos acompanham visita de Merkel ao Brasil

Após anos voltada para o continente asiático, a economia alemã acompanha com grande expectativa a ida de Angela Merkel ao Brasil, que se encerrou com visita à fábrica da Volkswagen, em São Bernardo do Campo.

default

Merkel e Lula em Brasília

Acompanhada do presidente Lula, a chanceler federal alemã Angela Merkel encerrou sua primeira viagem ao Brasil como chefe de governo com uma visita à fábrica da Volkswagen em São Bernardo do Campo (SP), nesta quinta-feira (15/05).

Segundo o próprio presidente Lula, muito lhe agradou a visita acompanhada da "amiga" Angela Merkel à fábrica onde trabalhou. Na ocasião, a chefe de governo alemã mostrou-se bastante interessada nos motores bicombustíveis. À tarde, Merkel seguiu para Lima, onde participa da 5ª Cúpula da América Latina e Caribe e União Européia (ALC-UE).

A economia alemã acompanha com grande expectativa a primeira visita da chanceler federal à América Latina. Após anos com os olhos voltados para os mercados asiáticos, o crescimento constante da América Latina fez o foco alemão dirigir-se novamente para o continente latino-americano.

Alemães interessados em motores brasileiros

Brasilien Deutschland Angela Merkel in Sao Paulo bei Jose Serra

Em São Paulo, Merkel encontrou-se com José Serra

Com a visita à VW, a chefe de governo alemã quis prestigiar o engajamento das empresas de seu país no Brasil, onde 1.200 companhias alemãs ocupam 250 mil trabalhadores. Os biocombustíveis foram o principal interesse da visita de Merkel à subsidiária brasileira da companhia de Wolfsburg. Diferentemente de muitos dos motores fabricados na Europa, os motores flex brasileiros são movidos, sem problemas, a álcool ou a gasolina.

Desde 1953, a VW produz no Brasil. A fábrica da Volkswagen foi um marco da presença industrial alemã no Brasil. Hoje, cerca de mil empresas alemãs estão presentes somente em São Paulo, onde Merkel também se encontrou com o governador José Serra.

A primeira viagem da chanceler federal à América Latina foi acompanhada de grande expectativa por parte da economia alemã, comentou Bodo Liesenfeld, presidente da Associação Latino-Americana, rede empresarial e plataforma de informações para a economia alemã.

Pontos a ser melhorados

Biodiesel

Motores bicombustíveis foram foco de visita à VW

Segundo Liesenfeld, os alemães estão de novo de olho na América Latina. Devido ao desenvolvimento chinês, ele considera compreensível o interesse europeu dos últimos anos pelos mercados asiáticos. Com uma média de crescimento de 6% ao ano a partir de 2003, a confiança na economia da América Latina voltou a crescer. "O crescimento dos mercados financeiros estão entre os melhores do mundo", acresceu Liesenfeld.

As condições de investimento também melhoraram muito nos últimos anos, afirmou o presidente da associação, que também acompanha Merkel em sua visita. "Com mais de 1.200 empresas alemãs, o Brasil, por exemplo, é o principal destino dos investimentos estrangeiros alemães". Há pontos, no entanto, que precisam ser melhorados, acresceu Liesenfeld.

Entre estes, ele mencionou a velocidade da jurisdição, assim como as limitações financeiras ao comércio e as complicações alfandegárias que ainda existem. Este foi justamente um dos temas levantados por Angela Merkel, no discurso que fez a empresários brasileiros e alemães, na noite de quarta-feira em São Paulo.

Tudo depende de um meio-termo

Peru EU Lateinamerika Gipfel in Lima Gebäude mit Flaggen

Europa, AL e Caribe em Lima

Devido ao marasmo nas negociações sobre a liberalização do comércio mundial, Merkel conclamou todos ao consenso. A Alemanha quer exportar mais e o Brasil não quer importar tanto, comentou a chanceler federal no jantar oferecido pela Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha e pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP). Os Estados Unidos devem assumir também um papel construtivo, afirmou Merkel.

Em alusão à liberalização do comércio, a chanceler federal alemã Angela Merkel comentou, no jantar de quarta-feira, que tudo depende de se conseguir um meio-termo.

Nas assim chamadas Rodadas de Doha, dentro da Organização Mundial de Comércio (OMC), a América Latina exige um melhor acesso ao mercado interno da União Européia e a redução de subvenções agrárias. Esta é a razão pela qual as negociações entre o Mercosul e a União Européia estão estagnadas há anos.

Encerrando sua visita ao Brasil, Merkel seguiu para Lima, onde 60 delegações européias, latino-americanas e caribenhas de alto escalão discutirão temas relativos à energia, meio ambiente, mudanças climáticas, combate à miséria e coesão social.

Leia mais