1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Instituto Goethe redefine sua política cultural

Salvo das dificuldades orçamentárias dos últimos anos, Instituto Goethe retorna às funções prioritárias de propagar o idioma e a especificidade cultural da Alemanha, em detrimento de um discurso intercultural.

default

Presença maior no mundo muçulmano

O Instituto Goethe, principal órgão de propagação da língua e cultura alemãs no exterior, sofreu nos últimos anos com os cortes de verbas. Entre 2001 e 2006, o órgão teve seu orçamento reduzido em quase 13% para 109 milhões de euros, o que implicou cortes de pessoal, restrições na programação cultural e elevação das taxas dos cursos oferecidos.

Além da escassez de recursos, a situação do instituto também se tornou mais complexa nos últimos anos, por causa da fusão com outras instituições, como a Inter Nationes, o Instituto de Informação sobre a Alemanha e o órgão de assuntos internacionais do Conselho Alemão de Música.

A situação culminou neste ano com um desequilíbrio orçamentário que levou o Parlamento alemão a tomar uma decisão. O resultado foi a liberação de 13,5 milhões de euros, uma verba vinculada – no entanto – à redefinição das metas para a rede de 144 institutos espalhados por 80 países.

Expansão na Ásia e no mundo islâmico

A nova estratégia é reforçar a presença em regiões de crescimento da Ásia, sobretudo a China, e no mundo islâmico, principalmente no Oriente Médio, além de consolidar a expansão no Sul e no Leste da Europa.

As prioridades do Instituto Goethe também foram definidas com maior precisão. A propagação da língua e da diversidade cultural da Alemanha volta a ser a meta central, conforme o plano dos políticos da coalizão democrata-cristã e social-democrata. O secretário-geral do Instituto Goethe, Hans-Georg Knopp, acrescenta que a idéia é inserir as posições alemãs nos discursos culturais internacionais e promover a integração cultural da Alemanha no mundo globalizado.

Maior destaque à especificidade cultural alemã

Embora estas sempre tenham sido metas do Instituto Goethe, o direcionamento do órgão durante o governo anterior, assumido pela coalizão social-democrata e verde, era mais intercultural. "Nossa política cultural no exterior não é simplesmente neutra, mas se orienta por valores. Em matéria de incentivo à democracia, implementação dos direitos humanos, sustentabilidade do crescimento, participação no progresso científico-tecnológico ou proteção dos recursos naturais, nossa política cultural toma partido." Isso é o que constava da chamada Concepção 2000, aprovada pelo então ministro do Exterior Joschka Fischer.

Com mais dinheiro agora, o Instituto Goethe – órgão diretamente submetido ao Ministério do Exterior – reassume a função de propagar uma imagem atual da Alemanha que seja abrangente e bem fundamentada do ponto de vista histórico e cultural. Isso exclui outras propostas de intercâmbio intercultural, como a de integrar as atividades dos institutos internacionais às de outras instituições européias. E possivelmente também reduz o espaço de diálogo com culturas em que o Instituto Goethe está inserido como órgão de propagação cultural.

Leia mais