1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Iniciativa privada investe cada vez mais em cultura na Alemanha

Falta de verbas públicas para a cultura – ou a má vontade em aplicá-las – força os alemães a abandonar sua tradição secular de patrocínio estatal. Principal interesse das empresas é melhoria de imagem.

default

O que seria da Filarmônica de Berlim sem o Deutsche Bank?

Até alguns anos, na Alemanha e outros países europeus, não se discutia que financiar cultura é assunto do Estado. Por tradição e história, a aproximação entre artistas ou instituições culturais e a iniciativa privada era quase tabu, envolvendo conflitos de interesse, medos de ingerências e contaminação entre o erudito e o comercial, além de outros tantos preconceitos e/ou temores palpáveis.

Em tempos de caixas estatais vazias, faz-se necessária uma mudança de paradigma. Só assim é possível a montadora de automóveis Audi ser atualmente a principal patrocinadora do Festival de Música de Salzburgo, na Áustria. Uma boa notícia para artistas e organizadores, pois os cofres públicos não liberaram mais de 13 milhões de euros para o prestigioso evento, ou seja, cerca de 30% de seus gastos totais.

Questão de prestígio

Symbolbild Kultursponsoring Audi als Sponsor der Salzburger Festspiele

Audi à frente do Festival de Salzburgo

Está claro que as firmas não disponibilizam recursos financeiros por puro altruísmo. "Apoio cultural é um negócio bem definido: dinheiro em troca de vantagens", explicita Manfred Schwaiger, professor de economia da Universidade de Munique. "E a vantagem, no caso, é o patrocinador ser associado ao artista ou evento cultural."

A decisão sobre quem recebe ou não o apoio depende do perfil mercadológico da empresa em questão. Assim, financiando a Filarmônica de Berlim, o Deutsche Bank pretende enfatizar "tradição e alta qualidade". Por outro lado, ao investir na mostra de arte contemporânea documenta, em Kassel, o grupo das caixas econômicas da Alemanha segue uma tendência nacional.

A prática também melhora a imagem da empresa diante de seus funcionários, pois em especial os mais dedicados têm altas exigências em relação a seus empregadores. "O patrocínio cultural em si não aumenta a motivação, porém sua ausência resulta em menor satisfação com o emprego", comenta Manfred Schwaiger.

Parte do "leão" ainda cabe ao Estado

O assunto não é novo no Brasil, onde há já alguns anos se fazem sentir os efeitos positivos de iniciativas como a Lei de Incentivo à Cultura. E, em comparação com os Estados Unidos, a participação dos patrocinadores particulares na Alemanha é antes modesta.

O grupo de trabalho Kultursponsoring calcula que a iniciativa privada alemã reverte 350 milhões de euros por ano no apoio cultural, cerca de 10% das verbas totais do setor. Incluídas as fundações particulares, a soma chega aos 600 milhões de euros anuais.

Ainda assim, 80% do dinheiro continua vindo dos cofres públicos, enquanto nos EUA esta proporção é de apenas 10%. Segundo Schwaiger, tal se explica, em parte, devido às diferentes políticas de benefícios fiscais para o patrocínio da cultura.

Tendência crescente

"Porém há também um segundo motivo: é que na Alemanha estamos acostumados a clamar pelo Estado. Sempre que sentimos falta de algo e queremos oferta cultural, vêm as exigências, sempre contendo a implicação de que o Estado cuide do assunto", explica o economista.

Stefan Frucht, diretor gerente do Círculo Cultural do Empresariado Alemão, vê, contudo, uma clara tendência. "Embora em nível federal o patrocínio à cultura se haja mantido estável, as verbas públicas diminuem, enquanto o engajamento privado cresce decididamente."

No momento, o apoio cultural privado privilegia as artes plásticas e as diversas formas de música, continua Frucht, citando ainda a literatura e a arquitetura como setores significativos.

Má informação é a alma do negócio

Deutschland Kunst Documenta 12 Giraffe

Obra de Peter Friedl na 'documenta' 12

Embora as empresas em geral divulguem com coletivas de imprensa, campanhas e outros eventos publicitários suas iniciativas de apoiar a cultura, nunca se fica sabendo quanto investiram exatamente. Isso faz parte do negócio, assegura o professor Schwaiger.

"Um dos fatores de sucesso neste setor consiste em empregar 'x' euros e os jornalistas especularem que foram duas vezes 'x'. Dar a impressão de que se fez muito mais [pela cultura] do que realmente foi o caso é um critério de sucesso." (av)

Leia mais