1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Iniciativa do Oriente Médio na ONU irrita israelenses

Em nome dos palestinos, Jordânia lança na ONU iniciativa para solução do longo conflito entre Israel e Palestina. Ministro israelense diz que documento é uma declaração de guerra e ameaça Autoridade Palestina.

Oficialmente foi a Jordânia que submeteu à votação nas Nações Unidas uma resolução exigindo que Israel se retire, até 2017, dos territórios palestinos ocupados. Além disso, no documento apresentado na noite de quarta para quinta-feira (18/12), também se exige que israelenses e palestinos fechem um acordo de paz num prazo de um ano.

Ainda não se sabe quando a resolução deverá ser votada, mas ela já provocou irritação no governo em Tel Aviv. O ministro do Exterior israelense, Avigdor Lieberman, chamou o projeto de uma bobagem que, segundo o ministro, não iria acelerar uma solução, já que sem a anuência israelense "nada acontece".

Já o ministro da Inteligência de Israel, Yuval Steinitz, declarou nesta quinta-feira que o projeto de resolução apresentado nas Nações Unidas seria uma declaração de guerra. "Não se trata de um processo de paz. O que eles estão levando à frente é um processo de guerra", afirmou Steinitz.

O ministro disse ainda que, se a Autoridade Palestina continuar a "sabotar" as negociações de paz e tomar medidas diplomáticas de forma unilateral, Israel deverá considerar todas as opções, inclusive dissolver a Autoridade Palestina, declarou Steinitz a uma emissora de rádio israelense.

Acordo francês

Em nome dos palestinos, a Jordânia apresentou a versão final do projeto de resolução, colocando-o "em azul", ou seja, indicando que o texto foi finalizado e pode ser votado 24 horas depois. O embaixador palestino na ONU, no entanto, afirmou que seu país estaria aberto para continuar as negociações.

De acordo com a emissora de rádio Voz da Palestina, o ministro do Exterior da Autoridade Palestina, Riyad al-Malki, havia afirmado anteriormente que o documento seria uma versão endossada pela França, e não o texto original formulado pelos palestinos e pela Liga Árabe.

"A França afirmou que quer nos acompanhar no Conselho de Segurança, porque a proposta aborda todos os problemas que existiram nos últimos 20 anos de negociações", disse Al-Malki. "A França acredita que um prazo para terminar as negociações e dar um fim à ocupação é o melhor a fazer, já que negociações diretas mostraram ser inúteis."

A resolução recém-apresentada na ONU coincide com a decisão do Parlamento Europeu, desta quarta-feira, de apoiar "em princípio" o reconhecimento do Estado palestino. O Parlamento Europeu ressalvou, no entanto, que esse passo deve ser acompanhado "lado a lado" das negociações de paz entre israelenses e palestinos.

Estados Unidos indecisos

Segundo fontes diplomáticas, as negociações sobre o texto da resolução poderão durar dias ou semanas. A embaixadora jordaniana na ONU, Dina Kavar, afirmou estar otimista quanto a um consenso no Conselho de Segurança.

O voto dos EUA será decisivo, já que o país vetou até agora quase todas as resoluções direcionadas contra Israel. Um projeto apresentado em outubro de forma não oficial ao Conselho de Segurança da ONU exigiu o fim da ocupação israelense dos territórios palestinos até novembro de 2016.

Os EUA e outros países consideraram o projeto inaceitável. Em relação à nova proposta de resolução, o secretário de Estado, John Kerry, declarou na última terça-feira que seu país não tomou, até agora, nenhuma decisão.

CA/rtr/dpa