1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Iniciado processo de concordata da Fairchild Dornier

Foi aberto, nesta segunda-feira (01/07), o processo de concordata da Fairchild Dornier, a segunda maior indústria alemã do setor da aeronáutica e uma das grandes concorrentes da Embraer no segmento dos jatos regionais.

default

A sede da Fairchild Dornier, em Oberpfaffenhofen: concorrente da Embraer

Transcorrido sem resultados positivos o prazo judicial de três meses para a busca de uma solução no caso da Fairchild Dornier, o tribunal da comarca de Weilheim decidiu iniciar nesta segunda-feira o processo de insolvência da empresa.

Segundo o plano apresentado por Eberhard Braun, síndico encarregado de conduzir o processo, poderá ser possível um saneamento de parte da empresa, desde que ela seja desmembrada: "Não conseguimos, em nenhum momento, investidores interessados em assumir a empresa em seu todo." Por último, fracassaram as negociações com a empresa canadense Bombardier.

Empregos ameaçados

O desmembramento da Fairchild Dornier resultará numa redução do quadro de pessoal pela metade. A empresa contava até agora 3600 funcionários. Menos de 1800 continuarão trabalhando normalmente. Dos restantes, uma parte já foi demitida e outra aguarda uma solução nos próximos dias. Há esperança de que um acordo com a empresa italiana Alenia possa salvar pelo menos uma parte dos empregos ameaçados.

A Fairchild Dornier sustou de imediato o desenvolvimento do novo jato regional 728/928, mas manterá a produção da aeronave 328, de menor porte, pelo menos até setembro próximo. Para este segmento de produção existe um comprador potencial e sólido, segundo Eberhard Braun.

A Fairchild Dornier surgiu em 1996, após a aquisição da indústria aeronáutica alemã Dornier pela empresa americana Fairchild. No início do ano 2000, a firma foi adquirida então por um grupo de investidores americanos, bem como por uma subsidiária do consórcio financeiro Allianz. Após a crise do setor aeronáutico, decorrente dos atentados de 11 de setembro do ano passado, a Allianz decidiu não mais financiar a empresa, deflagrando assim o processo de insolvência.