1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Ingresso da Venezuela poderá dar caráter mais político ao Mercosul

Cúpula do Mercosul no Brasil oficializará admissão da Venezuela. Decisão, tomada sem a participação do Paraguai, gera controvérsia. Brasil, Argentina e Uruguai suspenderam o país do bloco após impeachment de Lugo.

É só uma questão formal. Os presidentes dos três países ativos no Mercosul – Brasil, Argentina e Uruguai – reúnem-se nesta terça-feira (31/07) com o colega venezuelano Hugo Chávez em Brasília para oficializar a admissão da Venezuela no bloco comercial.

Mas o pouco espetacular ato de Estado é o resultado de uma longa controvérsia. O Paraguai não participou da decisão, apesar de todas as deliberações do Mercosul terem de ser por unanimidade. Os outros três membros fundadores do bloco haviam suspendido o país por causa da polêmica destituição do presidente Fernando Lugo em junho.

Motivação ideológica

Antes da reunião de cúpula extraordinária desta terça-feira, Chávez havia elogiado a admissão venezuelana como um sucesso na "luta contra o imperialismo dos EUA", que anteriormente impedira a entrada do país no bloco por meio da "burguesia lacaia" no Congresso paraguaio.

De fato, deputados conservadores e liberais impediram repetidamente que o governo de minoria do esquerdista Lugo ratificasse o ingresso da Venezuela. Isso apesar da decisão já ter sido assinada em 2006 pelo antecessor de Lugo, Nicanor Duarte Frutos – hoje na oposição.

Os motivos para o repetido veto parecem ser mais de natureza ideológica do que econômica. "Por um lado, o alinhamento da política venezuelana não se encaixava com o desses opositores no Congresso paraguaio. Por outro lado, pretendia-se irritar Lugo", diz Detlef Nolte, diretor do departamento latino-americano do Instituto Giga de Hamburgo. "Isso também gerou aborrecimento entre os demais membros do Mercosul, apesar de ser necessário dizer que o Brasil também demorou um bom tempo para ratificar a entrada da Venezuela."

A historiadora Vera Vieira, da PUC de São Paulo, fala em temor por parte dos conservadores. "Trata-se de um tipo de paranoia comum por nossos lados, de que qualquer governo um pouco mais progressista no sentido de ouvir a população e suas demandas coloque em risco a ordem social", diz.

Polêmico impeachment

Após o aumento da agitação social, que levou à morte de 17 pessoas em junho, o ministro do Interior do gabinete de Lugo se demitiu. Uma semana depois, o presidente também foi obrigado a deixar o cargo, após a maioria do Congresso ter votado a favor de sua destituição.

"Esse ato é uma afronta aos preceitos Constitucionais do Paraguai e os preceitos internacionais firmados visando a garantia da democracia", considera Vieira. Nolte vê a situação de outra maneira. "Como a maioria das constituições do continente americano, a do Paraguai também tem uma cláusula sobre o impeachment do presidente", explica o cientista político. "Trata-se de um processo político e não jurídico. Portanto, se a maioria do congresso vota pela deposição, ela é válida."

Por isso, em última análise, também não se pode dizer nada contra a velocidade do processo de impeachment. Lugo tivera apenas duas horas para se defender.

Tiro pela culatra

Os parceiros do Mercosul de governos de esquerda, Brasil, Argentina e Uruguai, classificaram o ato político como uma "ruptura da ordem democrática", suspendendo a participação do Paraguai nos órgãos do Mercosul até que tal ordem seja restabelecida. Então, aproveitaram o momento favorável para finalmente ratificar a entrada da Venezuela no bloco.

Nolte considera o processo questionável. "Por um lado, critica-se a pressa do Congresso no Paraguai; por outro, aproveita-se a suspensão do país para ratificar o ingresso da Venezuela."

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, não teve nenhuma objeção a isso. "Dessa vez, o tiro dos golpistas saiu pela culatra!", declarou, e ressaltou que o Mercosul reunirá agora as maiores reservas de petróleo e gás natural do mundo.

Implicações da admissão

Para Nolte, especialmente a Argentina e o Uruguai – dependentes da importação de petróleo – têm interesses econômicos na admissão da Venezuela. Mas também empresários brasileiros poderiam se interessar pelo mercado do país vizinho.

Entretanto, ele não vê nenhuma grande vantagem para o Mercosul enquanto aliança econômica. "A Venezuela adota um modelo econômico centrado no Estado, o qual certamente não facilitará o desenvolvimento da instituição Mercosul."

O economista Federico Foders também é desta opinião. "O objetivo original – ou seja, a redução das barreiras comerciais – continuará a ser diluído com o ingresso da Venezuela", afirma. Ele teme que as tendências protecionistas se intensifiquem e que o Mercosul se transforme em uma aliança política. Segundo ele, mais uma entre as já existentes e ineficazes na América Latina.

Ao mesmo tempo, Foders vê com tranquilidade a alusão de Chávez ao poder no mercado de petróleo. "A hipótese de cartel foi refutada em diversos estudos empíricos. E isso a Venezuela e o Brasil também não poderão mudar."

Já a concentração da América Latina em combustíveis fósseis, o economista considera mais perigosa. "Quem produz e exporta uma matéria-prima cobiçada não precisa se preocupar com a competitividade. Mas o petróleo é um combustível com prazo de validade." Para Foders, os países precisam se dar conta de que o foco da economia mundial está se deslocando para a Ásia e sua produção industrial de manufaturados.

Autor: Jan D. Walter (lpf)
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais