Ingestão de loção para banho mata 41 pessoas na Rússia | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 19.12.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Ingestão de loção para banho mata 41 pessoas na Rússia

Produto contém metanol e foi consumido como substituto para bebidas alcoólicas. Vítimas são pessoas pobres que não têm condições financeiras para comprar vodca e similares.

Irkutsk

A cidade de Irkutsk, na Sibéria

Ao menos 41 pessoas morreram na cidade de Irkutsk, na região da Sibéria, na Rússia, depois de ingerirem uma loção para banho na expectativa de que ela causasse a mesma sensação que o álcool, afirmaram nesta segunda-feira (19/12) autoridades russas, que abriram uma investigação sobre o caso.

A polícia realiza buscas em todas as lojas da cidade para determinar se o produto, que contém metanol, é vendido de forma ilegal. De acordo com a investigação, a loção de banho era produzida na mesma oficina onde se fabricava vodca pirateada.

Para as autoridades, não está claro se o produto era comercializado como um substituto mais barato para bebidas alcoólicas ou como loção de banho, apesar de o rótulo informar claramente que ele não deve ser ingerido. As vítimas são pessoas pobres, e elas não estavam bebendo o produto juntas, noticiou a imprensa local.

Dois suspeitos foram detidos por distribuírem a loção, afirmou a polícia. Segundo informações de agências de notícias russas, outras cinco teriam sido presas pelo mesmo motivo.

O Ministério da Saúde enviou a Irkutsk, cidade a 4 mil quilômetros de Moscou, um grupo de especialistas em toxicologia para atender as pessoas que ingeriram a sustância e estão internadas em hospitais. O número de mortos deve aumentar, pois há registro de 57 pessoas que ingeriram a loção.

Devido à grave crise econômica que atinge o país desde 2014, muitos russos não têm condições de comprar bebidas alcoólicas, como a vodca, e optam por consumir outras substâncias que contêm álcool, como colônias e loções. A ingestão aumenta o número de intoxicações mortais, especialmente na época do Natal, quando o consumo de álcool cresce no país.

O porta-voz da presidência da República, Dmitry Peslov, afirmou que este tipo de problema é bem conhecido e "demanda total atenção" por parte das autoridades.

TMS/rtr/efe

Leia mais