Influência do antigo regime cerca presidente eleito no Iêmen | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 22.02.2012
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Influência do antigo regime cerca presidente eleito no Iêmen

Abed Rabbo Mansur Hadi, única opção disponível na cédula de votação, será o futuro presidente do Iêmen. Sem atuação política prévia marcante, ele era vice-presidente de Ali Abdullah Saleh, deposto em meio a protestos.

Yemenis attend a pro-election rally in Sanaa, Yemen, Monday, Feb. 20, 2012. Abed Rabbo Mansour Hadi, is to become president after a vote Tuesday in which he is the only candidate. The campaign poster, background shows Mansour Hadi. (Foto:Hani Mohammed/AP/dapd)

Jemen Wahl Wahlen 2012 Präsidentschaftskandidat Abd Rabbo Mansur Hadi

Depois de meses de protestos contra o regime de Ali Abdullah Saleh, no Iêmen, as eleições presidenciais no país desta terça-feira (21/02) selaram a saída do antigo líder. Esse foi o motivo que levou mais de dez milhões de iemenitas às urnas, o equivalente a 60% dos eleitores – ainda que na cédula de votação houvesse apenas um nome: o do vice-presidente Abed Rabbo Mansur Hadi.

A falta de alternativa na escolha do novo presidente era parte do acordo assinado por Saleh antes de deixar o poder. Na época em que o pacto foi acertado, centenas de manifestantes tomaram as ruas para protestar contra as condições acertadas, que também garantiram a Saleh, sua família e apoiadores imunidade diante das acusações de, entre outros, crimes contra a humanidade.

Jemen Proteste in Sanaa

Manifestante pede julgamento do ex-presidente Saleh

Enormes desafios

Muitos iemenitas agora aguardam um recomeço. Depois dos 33 anos de governo de Saleh, o país enfrenta grandes desafios e corre o risco de se transformar em um Estado falido. O país mais pobre da península Arábica também virou um refúgio para a rede terrorista Al-Qaeda.

Com seus 24 milhões de habitantes, o Iêmen pertence ao grupo das nações menos desenvolvidas do planeta: a população cresce rapidamente, uma grande parcela sofre com a pobreza e escassez no abastecimento de água. Analfabetismo e desemprego são bastante presentes.

Nos últimos anos, o descontentamento popular contra o regime de Saleh cresceu constantemente no sul e no norte do Iêmen. A tribo xiita Houthis, que controla o noroeste do país, vive uma resistência armada há anos contra o governo central. No antigo sul comunista, o movimento separatista ganha força. Desde o começo dos protestos contra Saleh, os problemas do Iêmen se agravaram ainda mais.

Presidente sem poder

A escolha de um novo presidente deve salvar o Iêmen de uma catástrofe. Esse foi motivo que levou os norte-americanos e sauditas, influentes na região, assim como a União Europeia e Liga Árabe, a apoiarem o nome de Hadi.

O novo líder, no entanto, não deve representar um recomeço, acredita Elham Manea, da Universidade de Zurique. "Hadi é o candidato de Ali Abdullah Saleh. Isso quer dizer que Saleh continua no poder, apesar de ter perdido o título de presidente", comentou a cientista política de origem iemenita.

Apesar de Hadi ter sido vice-presidente desde 1994, ele praticamente nunca exerceu um papel político significativo. Tim Petschulat, representante da fundação alemã Friedrich-Ebert no Iêmen, vê nessa situação uma vantagem. A postura mais discreta de então poderia ajudar o futuro presidente: ele poderia e deveria se dirigir a todos os grupos importantes e ligá-los num diálogo nacional. "Ele não tem nenhum poder de base nem qualquer tribo a seu favor. Por isso ele não pode esperar que as pessoas o apoiem do nada."

Para Manea, esse diálogo já deveria ter começado. "Agora, os iemenitas do sul e os Houthis se sentem excluídos. Uma oportunidade foi desperdiçada", comentou a pesquisadora. Os interesses dos jovens ativistas, os primeiros a levantarem a discussão sobre mudanças no poder, também não teriam sido considerados pelo governo.

A woman casts her vote during the presidential elections at a polling station in Al Hasaba neighborhood in Sanaa February 21, 2012. Yemenis began voting on Tuesday to replace President Ali Abdullah Saleh in an election many hope will give Yemen a chance to rebuild the country shattered by a year-long struggle that had pushed Yemen to the brink of civil war. Vice President Abd-Rabbu Mansour Hadi stands uncontested as a consensus candidate. REUTERS/Ahmed Jadallah (YEMEN - Tags: POLITICS ELECTIONS)

Cerca de 60% dos eleitores registrados no país foram às urnas para votar no candidato único

Antigas influências

De qualquer maneira, o governo de transição de Hadi será um desafio. "Será difícil para ele controlar as forças armadas", analisa a especialista Gabriele vom Bruck, da Escola de Estudos Orientais e Africanos de Londres.

O futuro presidente teria ainda uma relação muito ruim com Ahmed, filho de Ali Abdullah Saleh, que continua próximo ao poder e ainda mora no palácio presidencial. "Hadi anunciou que ele não irá se mudar para o palácio, continuará morando em sua residência – um símbolo importante", avalia Vom Bruck. Ou seja: de certa maneira, Saleh permanece no palácio presidencial.

Autoras: Anne Allmelig / N. Pontes
Revisão: Francis França

Leia mais