1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Inflação acumula 7,7% em 12 meses

Índice é o mais elevado desde maio de 2005. Fevereiro registra taxa de 1,22%, sendo o segundo mês consecutivo com alta de preços acima de 1%. Gasolina é o item que mais pressiona a inflação.

A inflação de fevereiro, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), ficou em 1,22%, divulgou o IBGE nesta sexta-feira (06/03). Nos últimos doze meses, a taxa foi de 7,7%, a mais elevada desde maio de 2005, quando atingiu 8,05%.

Em janeiro, a inflação havia fechado em 1,24%, sendo fevereiro o segundo mês consecutivo com alta superior a 1%, o que não ocorria desde 2003.

O item que mais pressionou a inflação de fevereiro foi a gasolina, cujo preço subiu 8,42%. Sozinho, o combustível exerceu o impacto de 0,31 ponto percentual no índice de inflação do mês e foi responsável por um quarto do IPCA, ou seja, 25,41%.

Na esteira do aumento da gasolina, os gastos com transportes subiram 2,20% e esse foi o grupo de produtos e serviços que exerceu o maior impacto sobre o índice inflacionário no segundo mês do ano (0,41 ponto percentual).

Nos transportes, além da gasolina, também houve aumento nas alíquotas do PIS/Cofins e Cide sobre o óleo diesel, de 5,32% e, sobre o etanol, de 7,19%. Além dos combustíveis (7,95%), outros gastos importantes com transportes também subiram significativamente, como trem (3,10%), automóvel novo (2,88%) e ônibus urbano (2,73%).

No grupo Habitação, com variação de 1,22% em fevereiro, o destaque ficou com a energia elétrica, cujos preços aumentaram 3,14%. De acordo com o IBGE, em São Paulo foi registrado parte do reajuste de 3,77% de uma das concessionárias, em vigor desde o último dia 8 de janeiro.

Houve pressão também dos valores dos impostos e parcela residual da adoção das bandeiras tarifárias sobre as contas, a partir de 1º de janeiro. O sistema eleva o valor da conta quando é usada a energia termelétrica, que é mais cara.

Leia mais