1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

"Independência do Kosovo poderá provocar reação em cadeia"

Conselho de Segurança da ONU se reúne para discutir o futuro do Kosovo: enquanto Otan e EUA são a favor de sua independência, Rússia é contra e a UE não está tão unida quanto afirma.

default

Negociações entre sérvios (esq.) e albaneses do Kosovo, em fevereiro último, fracassaram

O Conselho de Segurança da ONU iniciou, nesta terça-feira (03/04), as conversações sobre o futuro do Kosovo, província sérvia que se encontra sobre protetorado das Nações Unidas desde 1999. Sobre a mesa está a sugestão de seu enviado especial para a região, o ex-presidente finlandês Martti Ahtisaari, que prevê a independência parcial do Kosovo, onde 90% da população são de origem albanesa.

A Sérvia rejeita o plano e conta com o apoio da Rússia para vetá-lo. "Qualquer forma de independência do Kosovo é inaceitável para a Sérvia", declarou o presidente sérvio, Boris Tadic, criticando duramente o apoio dos EUA ao plano de Ahtisaari, como afirmou seu gabinete em fins de março.

Apesar de o ministro alemão das Relações Exteriores, Franz-Walter Steinmeier, afirmar a coesão da União Européia no apoio à sugestão do enviado da ONU, a Eslováquia, principalmente, mas também Grécia, Romênia e Espanha, pensam de forma diferente.

Parto difícil

EU-Außenministertreffen in Bremen am 30.03.2007

Ministros da UE: 'Posição conjunta' em Bremen

Reunidos em Bremen na última sexta-feira (30/03), os ministros das Relações Exteriores da UE resolveram apoiar, segundo o termo oficial através de uma "posição conjunta", a proposta da ONU de uma independência parcial para o Kosovo.

Apesar de o ministro Franz-Walter Steinmeier (SPD), como representante da presidência rotativa alemã da UE no encontro, garantir um consenso europeu sobre o assunto, declarações de outros países-membros demonstram o contrário.

Em declaração, o Parlamento eslovaco rejeitou uma "independência absoluta do Kosovo" na última quarta-feira (28/03). O peso da Eslováquia fica por conta de o país possuir uma cadeira temporária no Conselho de Segurança da ONU.

Grécia, Romênia e Espanha

Ahtisaari

Martti Ahtisaari: 'soberania vigiada do Kosovo'

Mas também a Grécia e a Romênia não escondem sua rejeição. Segundo elas, a independência do Kosovo iria beneficiar uma minoria separatista, com a agravante da mudança de fronteiras existentes.

O secretário de Estado espanhol para assuntos europeus, Alberto Navarro, advertiu: "Se começarmos a dividir países, isto mudaria, anualmente, o mapa da Europa". Um diplomata da UE acrescentou: "Quase todos os países têm minorias".

Os países da UE estão coesos, entretanto, quanto à responsabilidade da ONU na resolução da questão do Kosovo: a negociação direta entre a Sérvia e os albaneses do Kosovo sobre a independência da província não levou, até agora, a nada.

Guerra Fria?

Sergej Iwanow

Ivanov em Sevilha

Após o encontro entre a Rússia e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), em fevereiro último em Sevilha, ficou claro que a posição de Moscou e da comunidade ocidental quanto ao Kosovo continua tão inconciliável quanto antes.

Serguei Ivanov, ministro russo da Defesa, assumiu uma posição totalmente contrária à sugestão de uma soberania vigiada para a província sérvia defendida pelos EUA e Otan.

O ministro advertiu que isto provocaria a cobiça de outras regiões como a Transnitria, Abcácia ou Ossétia do Sul. "Temos que tomar cuidado para não abrir a caixa de Pandora", afirmou o ministro.

Segundo o jornal búlgaro Monitor, a posição russa de apoio à Sérvia se justifica não pela simpatia eslava ou cristã-ortodoxa, mas por interesses geopolíticos nos Bálcãs. Moscou quer mostrar que, sem o seu apoio, problemas como a questão do Kosovo, do Irã e da Coréia do Norte não podem ser resolvidos. Além disso, a Rússia quer aproveitar a situação para legitimar seu papel de líder de uma coalizão informal de países que se opõem aos Estados Unidos.

Jaap de Hoop

Demonstration Pristina, Kosovo (28.11.2006)

ONU é responsável pela segurança no Kosovo

Por outro lado, Jaap de Hoop Scheffer, secretário-geral da Otan, reafirmou a posição de todos os países-membros da organização de "apoio completo para a sugestão de Ahtisaari e para o seu cronograma".

Desta forma, as conversações prometem ser bastante interessantes no Conselho de Segurança da ONU, onde a Rússia apóia a Sérvia e a Eslováquia possui um assento temporário.

Daniel Fried, vice-secretário norte-americano de Estado para Assuntos Europeus, declarou, nesta segunda-feira (02/04) em Berlim, que considera um veto russo como possível no Conselho de Segurança e advertiu os países europeus à coesão: "A unidade dentro da UE e entre a Europa e os EUA é a chave para o sucesso".

Por receio de revoltas durante as negociações da ONU, as Forças Armadas alemãs aumentaram em 550 homens o seu contingente estacionado no Kosovo, ampliando assim para 3 mil seu número de soldados da força de paz estacionada no Kosovo sob o comando da Otan (Kfor). O fortalecimento deverá ocorrer até meados de abril.

Leia mais