1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

"Indústria sofre com falta de competitividade", diz diretor da CNI

Carlos Eduardo Abijaodi afirma que Brasil é atrativo, mas que indústria nacional acaba prejudicada pela falta de competitividade e não consegue exportar e competir no mercado interno.

Empresários brasileiros e alemães discutem até esta terça-feira (02/09), no Encontro Econômico Brasil-Alemanha, em Hamburgo, formas de aumentar o intercâmbio econômico, investimentos e a cooperação tecnológica entre os dois países.

Em entrevista à DW Brasil, Carlos Eduardo Abijaodi, diretor da Confederação Nacional da Indústria (CNI), diz que a falta de competitividade – aliada a diversos fatores, como uma moeda mais valorizada – prejudica a indústria brasileira.

"O mercado brasileiro é muito atrativo: todos querem participar e vender no Brasil", afirma. "Mas a falta de competitividade é um problema que aflige a indústria. E a competitividade está ligada muito à tecnologia e inovação."

DW: Em 2013, o Brasil teve um déficit de cerca de 8,6 bilhões de dólares no comércio com a Alemanha. O que fazer para incrementar a exportação da indústria brasileira e conquistar mais mercado internacional?

Carlos Eduardo Abijaodi: A falta de competitividade é um problema que aflige a indústria brasileira. Mas, no nosso caso, é a competitividade aliada a diversos fatores, como a moeda brasileira muito valorizada. Isso retira parte da nossa competitividade. Nós temos, além disso, um grande mercado doméstico e de alta demanda. E, assim, o empresário consegue colocar seu produto no mercado doméstico de forma mais rápida e mais fácil. Isso vem acontecendo há cerca de quatro anos.

Quais soluções a CNI vê a curto prazo para esse problema?

A CNI preparou um mapa estratégico da indústria, para que, em dez anos, a indústria brasileira possa estar realmente competitiva. Por estarmos diante do período eleitoral, nós selecionamos dez temas desse mapa e evoluímos para 42 propostas feitas aos candidatos à presidência. Isso é a nossa contribuição para que a gente realmente possa, no novo governo, começar um ciclo otimista, com medidas concretas e palpáveis para que a indústria possa se desenvolver e ganhar competitividade. Hoje competimos com a China e outros países que, em termos de competitividade, ganham do Brasil.

Quais foram as principais medidas apresentadas?

Entre eles, há as reformas na parte tributária e na burocracia, que está presente em todas as áreas administrativas do governo. Na educação, temos a necessidade de trabalhar desde o elementar até a formação profissional. Ao mesmo tempo, precisamos que as pequenas e médias empresas (PME) possam crescer com inovação e com mão de obra qualificada. Ainda na parte trabalhista, a reforma trabalhista, a da governança no Brasil e, também, a questão da logística e infraestrutura.

Jose Manuel und Dilma Rousseff

Dilma e Durão Barroso, presidente da Comissão Europeia, defendem um "sim" entre UE e Mercosul

Quais são os principais entraves, tanto do lado sul-americano, quanto do lado europeu, para o Mercosul e a União Europeia fecharem o acordo de livre-comércio?

Essa negociação é comandada pelos governos dos países que formam os blocos. Nós acompanhamos junto com o governo a sondagem feita a todos os setores industriais e do agronegócio e todas as medidas, que deram origem a uma oferta, foram aprovadas. Junto com o Mercosul, cada país fez o mesmo. O que sabemos é que o Mercosul e também a União Europeia já têm propostas de livre-comércio a oferecer. Agora, depende só dos blocos marcarem um encontro e começarem a negociar. Mas digo que uma negociação como essa vai permitir não só a discussão de ofertas de tarifas, mas também permitir entrar numa área muito mais importante, que é a parte de barreiras não tarifárias, de padronizações, e uma série de outras coisas em paralelo.

Mas, se as listas já estão prontas, o que impede então a troca das ofertas entre os dois blocos?

É uma questão de oportunidade mesmo, não vai ter melhor momento para fazer a proposta. Na Europa há mudanças nos postos da União Europeia e, no Brasil, eleições presidenciais. Mas não é isso que está segurando. Eu acredito mesmo que é uma questão governamental, quer dizer, as duas partes terem condições de fixar uma data para sentar e conversar.

Há dois trimestres seguidos o PIB do Brasil se retraiu. A indústria teve um destaque negativo e puxou a queda do PIB. Quais são os motivos para esse desempenho da economia brasileira e, em especial, do setor industrial?

Eu volto a dizer a questão da nossa competitividade. O mercado brasileiro é muito atrativo: todos querem participar e vender no Brasil. As empresas estrangeiras chegam com preços competitivos, que ganham dos brasileiros. Com isso, os empresários brasileiros não conseguem exportar e competir no mercado doméstico. Essa é uma questão crucial que a indústria está vivendo.

Esse ano foi muito conturbado: houve vários feriados por conta da Copa, foi um ano atípico. O setor de comércio estava superando a indústria e compensava a perda da indústria. Agora, o comércio não está vigoroso como estava e também está começando a mostrar um PIB mais deprimido.

O país está passando por um processo de desindustrialização? Há algum tempo o PIB da indústria vem perdendo força...

Mas é pelo fato de a indústria não ter competitividade. A competitividade está ligada muito à tecnologia e inovação. Se o Brasil não tiver esses contatos e puder transferir inovação, tecnologia e design para ser absorvido pela indústria brasileira, ela vai continuar trabalhando naquilo que é básico, que não tem valor agregado, que não distinção em relação a outros produtos e que, consequentemente, não pode ser vendido mais caro.

Leia mais