1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Indústria química não espera melhora em 2002

As indústrias alemãs não estão muito otimistas em suas previsões para o próximo ano. Depois de um ano "magro", com queda de 2% da produção, o setor químico conta, no máximo, com um crescimento de 0,5% em 2002.

default

Laboratório da BASF em Ludwigshafen

Assim como vários outros setores da economia, a indústria química alemã não está otimista em suas previsões para 2002. Se em 2000 as empresas atingiram um faturamento recorde, a situação mudou bastante este ano. "A demanda caiu, tanto na indústria como entre os consumidores privados e, por isso, a produção foi 2% inferior à do ano passado", queixa-se o presidente da Federação Alemã das Indústrias Químicas, Wilhelm Simson. Em vez de um aumento de 1,5% do faturamento, como previra Simson, as indústrias químicas fecharam o ano no mesmo nível do ano passado, totalizando 212,4 bilhões de marcos (225,8 bilhões de reais).

Setores - Quase todas as áreas sofreram os efeitos do desaquecimento da conjuntura econômica, especialmente a de polímeros e fibras sintéticas, com queda de 7% da produção. Exceções foram a indústria farmacêutica, com aumento de 6,5% e o setor de agrotóxicos (+15%). Um elemento favorável foi a queda dos preços do petróleo. No entanto, esse alívio não foi suficiente para compensar o aumento dos custos de produção.

As exportações tiveram um desenvolvimento positivo, com aumento de 6%. A queda da produção, porém, refletiu-se no mercado de trabalho. Em média, 470 mil pessoas trabalharam nas indústrias químicas alemãs em 2001, 0,7% a menos do que no ano passado.

Ano de vacas magras - A federação não conta com uma recuperação da conjuntura antes de meados de 2002 e espera um ano difícil. A previsão do seu presidente, por isso, é de um crescimento de apenas 0,5%, "no melhor dos casos", como ele acrescenta.