Indústria fonográfica se mostra confiante na Popkomm 2008 | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 08.10.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Indústria fonográfica se mostra confiante na Popkomm 2008

Feira abre as portas pela 5ª vez desde que se mudou para Berlim. À sombra da queda do volume de vendas, setor vê chance na digitalização do consumo de música. Bandas brasilieiras tocam no festival e Turquia é destaque.

default

EUA está representado pela primeira vez

Cada vez mais se ouve música, mas cada vez menos se está disposto a pagar por ela. Este é o grande dilema que paira sobre a Popkomm 2008, que abre as portas pela quinta vez, desde que se mudou de Colônia para Berlim. De quarta-feira a sexta-feira (08 a 10/10), 843 expositores de 52 países se reunirão nos pavilhões do Centro Internacional de Convenções da capital para a feira de música, que é tradicionalmente acompanhada de um congresso e de um festival internacional.

Mas a indústria musical mais uma vez se mostra confiante, afinal aumentou o volume de cópias legais obtidas pela internet. Um dia antes da abertura do evento, o diretor executivo, Ralf Kleinhenz, manteve o bom humor, lembrando que a música agora cedeu aos bancos a liderança dos setores em crise. Mas os números não são os mais promissores: desde 2000, o volume de vendas de música diminuiu quase 40%.

Popkomm 2008 Eröffnungsparty

Festa de abertura foi novamente na Kulturbrauerei em Berlim

O presidente da federação alemã da indústria fonográfica, Dieter Gorny, defende um controle mais acirrado contra a cópia ilegal, que, segundo ele, não é um delito irrelevante, como muitas vezes é representada. Mesmo assim, Gorny vê chances na digitalização: "É uma revolução e uma confrontação". Em 2007, a indústria musical alemã registrou um volume de vendas de 1,65 bilhão de euros, representando uma queda de 3,2%. Embora não tenha citado números para 2008, Gorny disse estar otimista.

Turquia é destaque

O país convidado desta edição é a Turquia, que tem a chance de mostrar que tem mais a oferecer que o popstar internacional Tarkan. Entre outros, estarão presentes a banda de ska-punk Athena, o popstar Yasar e o grupo Taksim Trio, cuja obra está situada entre a música tradicional turca e novas vanguardas do país que se espalha por dois continentes. A presença da Turquia é especialmente interessante em um país como a Alemanha, onde vivem 2,1 milhões de pessoas de origem turca, 200 mil apenas em Berlim.

Além da Turquia, a Itália, a Espanha e a França são presenças fortes na feira. Pela primeira vez, também os Estados Unidos terão um estande na Popkomm. O Brasil está representado no festival através do Brazilian Showcase Night, na qual se apresentarão a cantora de soul Tita Lima, a banda de folk rock Vanguart, além dos grupos Naurea e Tijuquera Floripa Groove, que misturam ritmos latinos e drum'n'bass.

Rockband Travis - Fran Healy

Fran Healy, do escocês Travis, um dos destaques internacionais do evento

O público berlinense também poderá conhecer o som poético e experimental de Beatriz Azevedo, o jazz de Fabiana Cozza e o reagge do grupo Ponto de Equilíbrio. Entre os destaques internacionais, estão o grupo britânico Travis e o cantor Tricky.

Público especializado

Dirigida ao público especializado, a Popkomm contará com a presença de gigantes da indústria fonográfica, entre gravadoras, festivais, distribuidoras e grandes nomes do meio online, como Amazon e Napster. Neste ano, são esperados 15 mil exibidores e visitantes especializados, e mil jornalistas.

Farão parte do congresso, entre outros, o cineasta alemão Wim Wenders (de Buena Vista Social Club), que falará sobre a mistura de música e cinema, tão comum em seus filmes, e o ex-Bee Gees Robin Gibb, que defenderá os direitos autorais de autores e compositores em um debate.O festival reunirá ao todo 400 artistas de 32 países e um dos destaques será o gênero metal que, segundo a revista do evento, conta com fãs muito fiéis: "Em tempos de crise, eles continuam comprando discos".

Leia mais