Incêndios na Rússia continuam sem controle e ameaçam exportações | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 07.08.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Incêndios na Rússia continuam sem controle e ameaçam exportações

Número de mortos devido às chamas já chegou a 52. Meteorologistas advertem que a intensa onda de calor ainda pode perdurar por dias. Governo russo proibiu exportação de trigo e produtos derivados.

default

Seca e fogo atingiram colheita de cereais na Rússia

Os incêndios na Rússia ainda estão fora de controle. Neste sábado (07/08), quase 600 focos foram registrados no país, a maioria na parte do país situada no continente europeu, relatou o ministério de Situações de Emergência em Moscou. Autoridades informaram que o número de mortos devido às chamas já chega a 52.

Em Moscou, a concentração de monóxido de carbono ultrapassou cinco vezes o limite tolerável à saúde, segundo relataram especialistas ao jornal russo Kommersant. Na noite de sexta-feira, a visibilidade nas ruas da capital não ultrapassava os 150 metros.

A fumação levou moscovitas a cobrirem seus rostos com máscaras de proteção ou lenços umedecidos. As partículas nocivas também invadiram residências e escritórios. A fumaça pôde ser vista até nos corredores do metrô de Moscou.

Neste sábado, o aeroporto Internacional Domodedovo, na capital, funcionou parcialmente. O alcance visual não chegava a 325 metros, informaram autoridades aéreas. Por esse motivo, 40 voos foram cancelados e diversos outros foram deslocados para outros aeroportos.

A agência de notícias Itar-Tass informou que, devido à poluição atmosférica, as indústrias na região da capital russa foram instruídas a reduzir a emissão de gases poluentes em 40%.

Russland Nebel Moskau Flash-Galerie

Capital russa tomada pelo smog: visibilidade não chega a 150 metros

Perigo de Chernobil

Além da região metropolitana de Moscou, as atenções das autoridades se dirigem principalmente para as proximidades da cidade de Sarov, onde está localizado o centro mais importante de pesquisas nucleares da Rússia. Por precaução, todos os materiais radioativos e explosivos foram retirados do local.

O perigo de explosões devido aos incêndios florestais levou as Forças Armadas russas a ordenarem a evacuação de todos os depósitos de armas e munições na região de Moscou.

As autoridades também temem que o fogo libere substâncias radioativas nas regiões que sofreram irradiação devido à catástrofe de Chernobil, há quase 25 anos. O serviço russo de Prevenção de Catástrofes concentra esforços para conter os incêndios na região de fronteira com a Ucrânia.

Consequências comerciais

Os incêndios devastadores também levaram o governo russo a proibir a exportação de trigo e produtos derivados. A Rússia é o terceiro maior exportador mundial de trigo e essa proibição tem consequências diretas sobre o mercado. Na última quinta-feira, o preço da tonelada do trigo na Europa chegou a 230 euros.

Manfred Nüssel, presidente da organização que reúne cooperativas e empresas agrícolas e alimentícias da Alemanha (DVR), informou que devido à grande estiagem o trigo está 50% mais caro na União Europeia se comparado com o mesmo período do ano passado.

Somente na última semana, os preços subiram 20%. A proibição das exportações russas teve enorme influência sobre essa elevação de preços, afirmou Nüssel.

CA/afp/apn/dw
Revisão: Nádia Pontes

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados