1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Inéditos de Brecht entram para acervo de academia em Berlim

As 2500 páginas de esboços, versões alternativas, cartas e outros escritos encontrados na Suíça prometem revolucionar a pesquisa do mais conhecido dramaturgo de língua alemã.

Carta à esposa Helene Weigel

Carta à esposa Helene Weigel

Já em 1933 Bertolt Brecht fora forçado a abandonar a Alemanha. O dramaturgo, diretor, poeta e ensaísta combateu o nacional-socialismo desde o princípio, e sua esposa, Helene Weigel, era judia. Escandinávia, Estados Unidos e a Suíça foram as estações de seu exílio, e Brecht só retornou à Alemanha em 1949.

Na parte de Berlim sob ocupação soviética, ele iniciou seu trabalho prático como encenador, formando a base da fama que o Berliner Ensemble mantém até hoje. Em 1956, Brecht faleceu em Berlim Oriental.

Voltando à pátria

Bertold Brecht

O jovem Brecht

Em 1947-48, a caminho da terra natal, ele morou na Suíça. Graças a essa parada intermediária foram encontrados há alguns anos, no Lago de Zurique, manuscritos, cartas e outros materiais, até então inéditos.

Antes da sensacional descoberta, acreditava-se há muito já estar completo o legado do mais encenado autor de língua alemã. Além de manuscritos seus e de outros autores, fazem parte do achado folhas de seu caderno de anotações, contratos, documentos, passaportes, talões de cheques, faturas e 350 cartas.

Tudo isso o autor colocara sob a guarda de um amigo, o sindicalista e gráfico Victor N. Cohen, possivelmente em 1949, ao deixar a Suíça a caminho de Berlim. Morador de Goldbach, às margens do Lago de Zurique, Cohen era um social-democrata de esquerda e publicitário profissional. Ele escrevia artigos para os jornais dos sindicatos e elaborava campanhas social-democratas e manifestos.

Longa negociação

Cohen faleceu em 1975. Porém somente no final da década de 1980 seus filhos se deram conta da valiosa herança em suas mãos. O diretor do Arquivo Brecht, Erdmut Wizsla, conta as circunstâncias do achado: "Foi preciso desocupar o depósito onde certos bens antigos se encontravam, pois o contrato de aluguel se encerrara. E justamente lá ainda havia coisas do espólio de Victor. Ao abri-las, dissemos: 'Nossa! É tudo Brecht! Abrimos a próxima caixa e achamos novamente – tudo Brecht'".

Por ocasião dos 50 anos da morte do criador do teatro épico, em 14 de agosto último, a Academia das Artes de Berlim anunciou a aquisição do achado do século. Trata-se do mais importante acréscimo ao Arquivo Brecht – um anexo da Academia visitado anualmente por cerca de 240 pesquisadores – desde a fundação, em 1956.

Brechts finnischer Paß

Passaporte finlandês de Brecht, parte da Coleção Cohen

As negociações de compra duraram oito anos. Seu sucesso se deveu à decisão da loteria nacional, da Fundação Alemã de Pesquisa (DFG) e da Academia de Artes de financiarem juntas o projeto. A "Coleção Victor N. Cohen de Bertolt Brecht" compreende 2500 páginas – um quinto do legado total – e uma máquina de escrever.

Ao que tudo indica, Helene Weigel – que após a morte prematura de seu marido anotara cuidadosamente todo o espólio – perdeu de vista o legado suíço. E, após seu retorno à Alemanha, Brecht tampouco sentiu falta dos papéis.

Estes não só documentam os dois anos na Suíça e a curta temporada em Zurique como também o exílio americano desde 1941, além de incluir alguns poucos objetos de anos anteriores.

Empenho político

Complementam a nova coleção alguns textos inéditos – contos, um projeto de romance, ensaios sobre política e a prática teatral –, assim como duas versões da peça O círculo de giz caucasiano. No texto de prosa Meu tipo inesquecível, Brecht caricatura Hitler de forma semelhante à empregada em A resistível ascensão de Arturo Ui.

O achado mostra ainda como, no exílio nos EUA, o dramaturgo se empenhou pelo Council for a Democratic Germany. Esta "Associação dos Emigrantes Alemães", fundada em 1944, foi a contrapartida do Comitê Nacional Alemanha Livre, da União Soviética.

Brecht redigiu declarações e cartas com o fim de conquistar apoio de figuras como Alfred Döblin. O Council foi uma coligação temporária, que, ainda durante a Segunda Guerra Mundial, se batia por uma Alemanha indivisa, com soberania política interna e externa.

Promessa de novas publicações

Os escritos ilustram ainda com que intensidade o autor preparou, a partir da Suíça, sua atividade teatral na Alemanha do pós-guerra. Ele se correspondia com aliados no país natal, diretores e atores e encarregados culturais alemães e russos.

Brecht pretendia reformular todas as suas peças à luz da nova situação do pós-guerra. Dentre todas elas, ele só considerava Arturo Ui – devido à sua forma de farsa – apropriada para sustentar, nos palcos alemães, a discussão sobre o regime nazista.

Bertolt Brecht Grab Dorotheenstädtischer Friedhof in Berlin

Túmulo do casal Brecht-Weil no cemitério Dorotheestadt de Berlim

A Coleção Cohen promete reformular a abordagem da vida e obra brechtiana. Numerosas publicações já foram realizadas ou anunciadas. Recentemente, a casa Suhrkamp lançou uma edição anotada das cartas de Brecht à esposa desde 1923 até sua morte, em 1956.

A mesma editora publicou um adendo de 150 páginas à Crônica Brecht, 1898-1956, de Werner Hecht. Lançada originalmente em 1997, esta documenta o dia-a-dia da vida do escritor. Hecht encara como uma tarefa apaixonante a pesquisa brechtiana após a queda da confrontação de sistemas. "Temos a visão do Ocidente e a do Leste. Agora estaria na hora de pintar um quadro objetivo. E, neste ponto, tais achados são de imenso valor", comenta o biógrafo.

Leia mais