″Imprevisibilidade″ de Trump preocupa presidente alemão | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 06.11.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

"Imprevisibilidade" de Trump preocupa presidente alemão

Joachim Gauck diz ver com preocupação possível vitória do candidato republicano na eleição presidencial americana. Membro do Bundestag afirma que tal cenário abalaria relações entre EUA e Alemanha.

Em entrevista ao portal Spiegel Online, o presidente alemão, Joachim Gauck, afirmou neste domingo (06/11) ver com preocupação uma possível vitória de Donald Trump na eleição presidencial nos EUA na próxima terça-feira.

A "imprevisibilidade" do republicano lhe preocupa, declarou Gauck. "Não podemos dizer o que se deveria esperar de um presidente Trump", afirmou o chefe de Estado alemão. "Considero isso um problema, assim como muitas pessoas nos EUA e aqui [na Alemanha]."

O presidente alemão afirmou, no entanto, esperar que "a democracia americana, que não faz do presidente um autocrata" continue a funcionar no futuro. "Mas primeiro vamos esperar a decisão dos americanos", disse Gauck. Pesquisas de opinião recentes indicam uma disputa acirrada entre Trump, e a rival democrata, Hillary Clinton.

Mais alertas

Também a bispa luterana Margot Kässmann, ex-presidente da Igreja Evangélica da Alemanha (EKD, na sigla em alemão), alertou neste domingo sobre Trump. Ao jornal Bild am Sonntag, ela apelou aos cidadãos americanos para que não deem o seu voto ao republicano.

"Não pode ser que um homem que se gaba de tatear uma mulher entre as pernas se torne presidente dos EUA", escreveu a teóloga. "Um homem que diz que armas nucleares estão aí para serem usadas."

Norbert Röttgen, presidente da comissão parlamentar de Assuntos Externos no Bundestag ( Parlamento alemão), também disse ver tensão nas relações com os Estados Unidos. "Para a relação entre a Alemanha e os EUA, uma vitória de Trump seria uma carga histórico", declarou Röttgen ao Bild am Sonntag.

CA/afp/dpa/epd/dw

Leia mais