1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Eleição na Alemanha

Imprensa europeia destaca importância internacional da eleição alemã

Articulistas dos principais jornais europeus consideram o pleito decisivo para a Europa por Berlim ser líder político e econômico do bloco. Holandeses consideram "continuidade melhor para a Europa fragilizada".

A poucos dias das eleições na Alemanha, os principais jornais europeus deram destaque às eleições na maior economia do chamado bloco dos 28, palco de crise econômica desde 2008.

O jornal italiano La Stampa sublinhou os "efeitos bombásticos" da reta final da campanha eleitoral alemã, enfocando as possíveis coalizões de governo que poderão ser formadas após o próximo domingo (22/09), quando os alemães irão às urnas: "O Partido Liberal Democrático (FDP) e o Partido Verde são os parceiros ideais da CDU/CSU [aliança majoritária no governo] e do SPD [maior partido da oposição]. Os dois maiores partidos do país declararam abertamente a disposição de trabalho conjunto com o FDP e os verdes, mas estes enfrentam dificuldades. E a possibilidade de um repeteco da coalizão entre os dois grandes parece cada vez mais inevitável."

"Sem dúvida, a reeleição de Merkel seria o melhor resultado para o debate no Reino Unido sobre a Europa, pois a chefe de governo parece estar aberta a algumas sugestões de reformas práticas do premiê David Cameron", escreve o Guardian, de Londres. E complementa: "Sua reeleição à frente de uma grande coalizão seria, nas atuais condições, o melhor para a Alemanha, a Europa e o Reino Unido."

Já o francês Le Monde lembra que grande parte do sucesso da chanceler federal alemã Angela Merkel (CDU), no poder há oito anos, se deve ao governo social-democrata que a precedeu. "Pois foi [o ex-chanceler federal Gerhard] Schröder que introduziu uma série de reformas em 2003, e que hoje permitem à Alemanha tirar o máximo proveito da globalização econômica."

Para o holandês de Volkskrant, "é uma injustiça que apenas alemães possam participar da eleição. Eles deverão se deixar guiar apenas por temas internos do país, mas na realidade a eleição interessa a todos os europeus. (...) Uma mudança de governo poderia desencadear inquietações internacionais em um tempo em que a continuidade seria melhor para a Europa fragilizada."

Nesta sexta-feira, o espanhol El País aposta na vitória do partido de Merkel: "De acordo com as previsões, no domingo a chanceler federal Angela Merkel vai obter a grande maioria dos votos em uma eleição que desperta mais interesse fora da Alemanha do que no próprio país. (…) A votação é importante para a Europa. Afinal, trata-se do país mais populoso [da UE], e líder tanto na economia quanto na política econômica do continente, que orienta grande parte da política da União Europeia. O interesse legítimo do resto da Europa nas eleições alemãs não significa, porém, que elas irão mudar o cenário político do continente radicalmente."

Leia mais