Imprensa européia enfoca tumultos na passagem da tocha olímpica | Leia notícias sobre o maior evento esportivo do planeta | DW | 08.04.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Jogos Olímpicos

Imprensa européia enfoca tumultos na passagem da tocha olímpica

Para analistas de jornais europeus, são legítimos os protestos à política chinesa durante a passagem da tocha olímpica pela Europa. Diário alemão lembra exploração da China pelo Ocidente no século 19.

default

Espírito olímpico ameaçado

O editorial do diário alemão Westfalen Blatt, de Bielefeld, remonta a meados de 1900 para lembrar a Revolta dos Boxers. Ao lembrar o movimento popular antiocidental contra a longa intromissão européia na China, o diário traça paralelos com a opressão no Tibete: "Universitários chineses sabem muito bem dos danos causados pelo Ocidente no seu país e por isso consideram hipocrisia o fato de a Europa e os Estados Unidos acusarem a China de violar os direitos humanos." [... ]

"A Europa reprime a própria história. Em seu livro Guerra Mundial e Bem-Estar, o cientista político e econômico Gabor Steingart escreveu: 'Todas as violações aos direitos humanos que o Ocidente atribui à China hoje, ele mesmo já praticou contra os chineses. O país foi humilhado e mantido na miséria." O jornal assinala ainda que durante 70 anos a China serviu às grandes potências como loja de conveniência, onde cada um podia servir-se à vontade. [... ]

Isto, no entanto, de forma nenhuma justifica ou minimiza os crimes cometidos pela China no Tibete. [... ] O Ocidente precisa levantar a voz pelos tibetanos, requisita o Westfalen Blatt.

Fiasco em Paris

"Pequim espuma de raiva e fala em sabotagem", escreve o Tageszeitung, de Berlim. O governo chinês pretendia usar os Jogos Olímpicos para apresentar-se da melhor forma possível. Agora, é obrigado a se ver, atônito, perder o controle dentro das próprias fronteiras, escreve o jornal.

"Atordoados, os funcionários do partido observam em Paris e em Londres os protestos que deverão se repetir em São Francisco e Nova Délhi. A corrida com a tocha olímpica torna-se um fanal político e os danos à imagem aumentam a cada quilômetro", prossegue o Tageszeitung.

Para o Le Figaro, a passagem da tocha olímpica por Paris foi um fiasco. O jornal francês ressalta que "em plena era da globalização da informação, o Império do Centro é inacessível ao resto do mundo. As imagens são censuradas; a internet, fortemente vigiada. Pior ainda: o regime em Pequim quer aproveitar o momento para consolidar a ditadura. Não só os tibetanos sofrerão com isso. Também os milhões de chineses oprimidos, cujo nacionalismo é alimentado para ser usado contra a influência do exterior em caso de alguma ameaça".

Papel dos EUA

"O grande número de manifestantes contesta a argumentação chinesa de que os protestos vêm de um pequeno grupo de separatistas tibetanos", observa o espanhol El País. "Os Jogos Olímpicos não podem tornar-se apenas um espelho da China atual. Eles oferecem também a oportunidade de abertura política. Infelizmente Pequim segue o caminho oposto".

O diário espanhol assinala que "os Estados Unidos desempenham um papel-chave neste contexto. Só que Washington silencia sobre um possível boicote olímpico. Um dos motivos é que os EUA nos últimos tempos caíram numa imensa dependência financeira em relação à China. Para os americanos, no momento, o aspecto econômico é prioritário", ressalta o El País. (rw)

Leia mais