1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Imprensa européia critica resultados da cúpula de Hong Kong

Entre as decisões tomadas na conferência da Organização Mundial do Comércio, está o corte de subvenções agrárias até 2013. Falta de resultados concretos é criticada por analistas.

default

Jornais europeus consideraram encontro da OMC sem grandes resultados

O encontro realizado na Ásia é tema dos principais periódicos que circulam na Europa. O jornal Frankfurter Rundschau teceu duras críticas à conferência: "Na política comercial, o norte não só joga de forma injusta, mas sim comete falta. Nisso, o compromisso de Hong Kong não muda nada".

"Os países ricos vêm muito tarde e muito pouco ao encontro dos pobres", ressalta o jornal. "O norte precisa compreender que deve se movimentar de forma mais rápida". O texto prossegue lembrando que "as sociedades aqui de cima devem alterar o ponto de vista e aprender a renunciar".

O Financial Times Deutschland, de Hamburgo, destacou que a cúpula contribuiu para que as negociações tenham prosseguimento. "Fora isso, não aconteceu muita coisa", escreveu o periódico. "Para a indústria na Alemanha e em outras partes da Europa, o acordo de Hong Kong não traz nenhuma vantagem concreta".

Perda de poder

WTO Konferenz in Hongkong G20 Einigung

Jornal alemão critica "arranjo" para evitar discussões mais sérias

Já o Frankfurter Allgemeine Zeitung (FAZ) classificou o resultado da conferência como uma tentativa de colocar panos quentes na situação. "A OMC tinha deixado de lado pontos controversos e com isso, evitado uma discussão semelhante como há dois anos atrás em Cancún", destacou o texto.

"O número de protestos e atos de violência foram menores que anteriormente. A Organização Mundial do Comércio não se enfraquece com críticas de fora, mas sim com a falta de unidade interna", constata o FAZ .

O periódico prossegue o artigo dando espaço para a presença de países como o Brasil. "O tempo em que a Europa e os Estados Unidos comandavam já se foram. Três quartos dos 150 países integrantes da OMC são nações em desenvolvimento", alerta o jornal.

Repercussão francesa

Pascal Lamy WTO

Les Echos destacou nervos de aço do diretor-geral da OMC

A imprensa da França também recebeu as conclusões da cúpula de Hong Kong com ceticismo. O jornal Libération , de Paris, lançou a pergunta sobre a relação entre os resultados obtidos na cúpula da UE em Bruxelas e a reunião de Hong Kong. "Em negociações nos moldes da OMC, ninguém pensa no outro, mas sim em si mesmo", dispara o periódico.

Já o Les Echos elogiou as habilidades de negociação da chanceler federal da Alemanha Angela Merkel e do diretor-geral da OMC, Pascal Lamy. "Duas personalidades tão distintas quanto Lamy e Merkel confirmaram, cada um de sua forma, quão significativo foi o fim de semana".

O texto considerou Lamy como um jogador de pôquer com nervos de aço, que conseguiu evitar que as negociações sobre o comércio mundial fossem bloqueadas.

Sobre Merkel, o Les Echos escreveu que "com uma habilidade tática permitiu que a parceria teuto-francesa assumisse papel principal, sem humilhar Tony Blair – e isso poupou a União Européia de uma outra crise desastrosa".

Acordos e salsichas

WTO Globalisierungsgegner blokieren eine Straße in Hong Kong

Protestos nas ruas de Hong Kong foram condenados pelo The Times

O conservativo jornal britânico The Times comparou a aprovação de acordos econômicos mundiais com a produção de salsichas. "Não se repara muito como elas são feitas. E isso vale especialmente para a cúpula de Hong Kong, que acabou com um acordo esboçado".

Para o jornal, não foi positiva a combinação de maratonas de negociações sem sono e os protestos sem sentido sob o comando de agricultores sul-coreanos nas ruas. "O texto final poderia (e deveria) ter sido orientado mais para o futuro", aconselha o The Times .

Na Espanha, o diário La Vanguardia , de Barcelona, afirmou que "as perspectivas do encontro eram tão nebulosas, que o menor compromisso firmado pode ser considerado um sucesso".

O periódico ressaltou que apesar de os entusiastas por um comércio mundial livre precisarem de paciência, haverá até 2013 a eliminação gradativa dos subsídios à exportação de produtos agrícolas.

Leia mais