1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Imprensa alemã lamenta morte do “mestre do modernismo”

Todos os jornais alemães de grande circulação, bem como diversos semanários, noticiaram a morte de Oscar Niemeyer, lembrando o significado de sua obra para a arquitetura mundial.

O semanário Die Zeit acentua a aversão de Niemeyer "pelo útil", perguntando a seguir como ele poderia ter seu olhar voltado para a utilidade, "diante desta vista? Do seu escritório, no último andar de um prédio na avenida Atlântica, ele avistava a Praia de Copacabana. Um panorama de quatro quilômetros de areia, ao fundo a imensidão azul do mar, com o barulho das ondas que batem incessantemente na praia. Quem pensa nesse caso em superfícies planas e ângulos retos?" A seguir, o jornal comenta: "O Modernismo europeu, a Bauhaus. Rigidez e praticidade. A intenção de criar algo universal, de depreender teorias que possibilitam criar coisas em série. Niemeyer não dava a mínima para tais premissas pragmáticas. Ele apreciava a estética do momento. Com seus projetos, ele queria homenagear as curvas de uma mulher bonita, as montanhas, os oceanos".

Em artigo intitulado Senhor das curvas, a revista Der Spiegel fala que "Oscar Niemeyer conferia suavidade e leveza até mesmo a suas obras monumentais. Foi assim que o astro da arquitetura brasileira projetou algumas das mais fascinantes e interessantes construções do século 20". Segundo a revista, o senhor das curvas "criou em Brasília, Rio de Janeiro e em outros lugares formas onduladas de uma beleza às vezes estonteante, que se debruçam voluptuosamente sobre o espaço público, a paisagem e o futuro".

Já o diário Die Welt chama Niemeyer de "arquiteto do novo Brasil", lembrando que o brasileiro "congregava em suas construções opostos aparentes". O jornal acentua ainda: "Com o elã espontâneo e a rapidez com que executava seus trabalhos, ele pôde realizar mais de 500 projetos em sua longa vida – sem contar os blocos de apartamentos pré-fabricados menos famosos. Com tantas obras, o arquiteto – convencido da efemeridade da existência e por isso decidido a desfrutar intensa e sensorialmente da vida – queria também assegurar que seria lembrado. Pois é dele a frase de que um arquiteto precisaria construir mil obras, a fim de sobreviver mil anos".

"Modernismo tropicalmente aquecido"

Para o Süddeutsche Zeitung, Oscar Niemeyer era o "último gigante do Modernismo arquitetônico". E não apenas isso, "mas também aquele que melhor soube superá-lo. Da mesmo forma que Le Corbusier e outros de seus contemporâneos, ele acreditava que o mundo poderia se tornar melhor através da arquitetura. Para isso, ele não seguia nenhum ideal racionalista nem o frio desejo pela engenharia social, mas um humanismo terno e sensível".

Em homenagem ao arquiteto brasileiro, o diário Frankfurter Allgemeine Zeitung afirma que "Niemeyer criou um modernismo tropicalmente aquecido. Sua Casa das Canoas, no Rio de Janeiro, não tem praticamente nenhum ângulo reto, o concreto dança em torno dos recifes, balançando como uma planta suculenta na mata tropical, unindo a dinâmica do barroco à diversidade de formas da selva". Segundo o jornal, "a natureza nunca serviu de adversária para Niemeyer, mas sim de exemplo", sendo sua arquitetura o eco desta natureza. "As formas suavemente arredondadas das montanhas, as folhas suculentas das plantas tropicais, a imensidão do cerrado no Brasil Central – tudo isso parece estar refletido nas esculturas e paisagens residenciais de Niemeyer", concluiu o jornal em seu obtuário do arquiteto brasileiro.

SV/dw
Revisão: Francis França

Leia mais