1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Imprensa alemã enfoca debate sobre delinqüência juvenil

Discussão também ilumina pontos fracos dos dois pólos da coalizão alemã de governo, social-democratas (SPD) e democrata-cristãos / social-cristãos (CDU/CSU).

default

Casa de correção juvenil em Leonberg Holzstücke

A discussão sobre um eventual endurecimento das leis de combate à delinqüência juvenil domina o noticiário da Alemanha. Políticos conservadores apontam soluções inspiradas nos boot camps norte-americanos, discutíveis tanto do ponto de vista de seus métodos quanto da eficiência.

O debate também ilumina pontos sensíveis dos dois pólos da coalizão alemã de governo: de um lado, os social-democratas (SPD), do outro os democrata-cristãos / social-cristãos (CDU/CSU).

Sob o título A nova fraqueza de Angela Merkel, o jornal Süddeutsche Zeitung, de Munique, condena o posicionamento da premiê:

Deutschland Justiz Jugendkriminalität Niedersachsen Ministerpräsident Christian Wulff

Christian Wulff (CDU) adota linha liberal

"Assim a chanceler federal destrói o que laboriosamente construiu. Ela contradiz sua linha de política social, declaradamente moderada. Ela enfraquece tanto sua Cúpula de Integração quanto a Conferência Islâmica de Wolfgang Schäuble; faz o slogan de seu partido – 'O centro' – parecer uma tática barata. E, ao apoiar uma campanha com ressonâncias xenófobas, põe em perigo – a coisa beira o absurdo – o sucesso dos dois outros candidatos da CDU [Christian Wulff e Ole von Beust]. Pois esta campanha polariza onde outros desejariam aproximar. Wulff, da Baixa Saxônia, e Von Beust, de Hamburgo, querem competir pelos votos de forma liberal, aberta."

A crítica do Wiesbadener Kurier é igualmente severa:

"O fato de a chefe de governo Angela Merkel apoiar se tal forma seu vice Roland Koch, contra suas declarações anteriores, demonstra o quanto as eleições parlamentares em Hessen estão em foco para a CDU. O baixo-saxão Christian Wulff, cujo destino também se decidirá em 27 de janeiro, já pode contar com a reeleição, aqui a bancada federal da CDU não precisa se esforçar muito. Koch, ao contrário, tem motivos para temer. Por isso, assim como o partido, apela para o tema 'estrangeiros'. Uma excelente maneira de fazer campanha. E depois ainda poder dizer, com ar inocente: 'Mas é preciso podermos falar do tema!'"

O Frankfurter Rundschau dirige seu ataque ao SPD:

"Os primeiros dias do novo ano revelam todo o dilema do SPD: apesar da sensação de força, o partido ainda mostra debilidades estratégicas. Falta-lhe instinto para os temas populares, ele reage lento demais aos acontecimentos atuais. Como agora, em relação à delinqüência juvenil, onde continua sem encontrar uma receita para rebater com êxito as reivindicações de law and order dos conservadores. Assim, o SPD entra num ano difícil e, para seu líder [Kurt Beck], decisivo. Os social-democratas precisam provar em 2008 se ainda possuem o força de um verdadeiro partido de governo e se Beck pode constituir um desafio sério para Merkel, a qual paira acima de todas as coisas."

O Münchener Merkur não está do lado nem do SPD, nem da CDU/CSU, no tocante ao código penal juvenil:

Deutschland Hessen Ministerpräsident Roland Koch

Roland Koch instrumentaliza casos de violência para sua campanha

"Deste modo, o cidadão sai do fogo para a frigideira. No metrô, jovens brutais espancam, do lado de fora os políticos fazem baderna. A CDU/CSU apresenta um catálogo para aumento do rigor penal, o chefe do SPD responde com um veto sumário. Isto é arruaça eleitoreira, em vez de solução de problemas. As pessoas reagem irritadas, com razão: trata-se da sua própria segurança. Na qualidade de contribuintes, investem muito dinheiro em justiça, polícia e partidos, para ouvir sábios conselhos sobre como enfrentar os espancadores com mais coragem civil. Nem todo o mundo nasceu para herói. E nem todo o mundo tem vontade de ter seu nariz quebrado por alguém que um juiz de menores sobrecarregado voltará a soltar em seguida."

O Fuldaer Zeitung aborda a ilusão de que leis mais duras garantam menos violência:

"Aqueles que, como que por reflexo, clamam por leis mais severas, crêem seriamente que isso mudaria algo? É mesmo pouco provável que – no momento em que chuta brutalmente sua vítima – o agressor principal de Munique tenha considerado a punição a que se expunha. Em diversos estados norte-americanos há a pena de morte. Segundo a lógica dos linha-dura, tal deveria intimidar os assassinos em potencial. Não é o caso: o número de homicídios nos EUA é consideravelmente mais elevado do que na Alemanha." (av)

Leia mais