1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Imprensa alemã destaca protestos de mulheres e fala em barbárie

Manifestações contra a violência e a favor dos direitos das mulheres em várias cidades brasileiras são destaque na imprensa alemã. "Um caso de violência sexual abala o Brasil", afirma jornal "Süddeutsche Zeitung".

Os protestos contra o machismo e a misoginia na sociedade brasileira, motivados pelo caso de estupro de uma menor de idade numa favela do Rio de Janeiro, foram destacados pela imprensa alemã neste sábado (28/05), com imagens dos protestos na capital fluminense.

Leia também: Crime no Rio escancara cultura do estupro no Brasil


Leia também: Após ataques em Colônia, Alemanha quer ampliar definição de estupro


Leia também: Na Índia, estupro coletivo de estudante mudou legislação

"Um caso de violência sexual abala o Brasil", afirma o jornal Süddeutsche Zeitung. "Lideranças políticas e várias organizações de defesa dos direitos das mulheres classificaram o caso de 'bárbarie', e em muitas cidades houve protestos", escreve o diário de Munique.

O jornal destaca ainda que a presidente afastada Dilma Rousseff chamou o caso de "barbárie" e que o presidente interino Michel Temer declarou ser "um absurdo que um crime bárbaro como esse aconteça em pleno século 21". O Süddeutsche informa que Temer vai criar um departamento para o combate a crimes contra a mulher na Polícia Federal.

Brasilien Proteste in Rio de Janeiro nach Gruppenvergewaltigung

"Centenas de milhares protestam contra o machismo e a violência", afirma o Spiegel Online

Já o site Spiegel Online afirma que "centenas de milhares protestam contra o machismo e a violência". A reportagem intitulada "Suposto estupro coletivo no Brasil: 'um crime bárbaro'" começa descrevendo o vídeo de 40 minutos que mostra a vítima e circulou pelas redes sociais.

O site destaca que mulheres convocaram protestos em redes sociais, como Facebook e Twitter e mais de 750 mil usuários do Facebook mudaram sua foto de perfil e adotaram a mensagem "pelo fim da cultura do estupro". No Twitter, a hashtag #UmDiaSemEstupro entrou nos trending topics, e uma imagem do artista Matheus Ribs, que mostra uma mulher crucificada e sangrando, viralizou.

"O desprezo às mulheres se mostra em muitos locais [do Brasil]: casos de violência e ataques sexuais são frequentemente minimizados, mulheres são sexualizadas em programas de televisão e telenovelas. Também na política domina a antiga divisão de papéis. O Brasil acabou de suspender sua primeira presidente: Rousseff não se encaixa direito na imagem brasileira de mulher, é vista como fria e fechada e foi frequentemente alvo de declarações sexistas de seus adversários", afirma o Spiegel Online.

A reportagem lembra que o gabinete de Temer é composto exclusivamente de homens brancos, e que o Congresso discute uma lei de aborto conservadora. "Valores morais conservadores fazem com que, frequentemente, a vítima é criminalizada, e não os criminosos."

O site da emissora Deutschlandfunk também noticia os protestos contra a violência. "'Um atentado a todas as mulheres'" é o título da matéria. "O Brasil está chocado: dezenas de homens teriam estuprado uma menina de 16 anos no Rio. Fotos e vídeos de celular foram colocados na internet", relata a emissora.

"Centenas de mulheres protestaram no Rio de Janeiro contra a violência sexual. Muitas pintaram o símbolo da feminilidade [símbolo de Vênus] no rosto. Milhares de usuários da internet expressaram sua indignação com o slogan eu luto pelo fim da cultura do estupro e a hashtag #EstuproNuncaMais", afirma a emissora, uma das mais influentes e respeitadas da Alemanha.

Leia mais