Imprensa alemã destaca ″drama″ e ″roteiro de filme″ de jogo entre Brasil e EUA | Fique informado sobre tudo o que acontece na Copa do Mundo | DW | 11.07.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Copa do Mundo

Imprensa alemã destaca "drama" e "roteiro de filme" de jogo entre Brasil e EUA

Mídia alemã também elogiou a atuação de Marta, que foi vaiada pela torcida em Dresden. Destaque também para a "protagonista" da partida, a goleira norte-americana Hope Solo.

Wambach marca o segundo gol dos EUA e leva a partida para os pênaltis

Wambach marca o segundo gol dos EUA e leva a partida para os pênaltis

Não foi um domingo bom para o esporte brasileiro. No estádio lotado com 25.598 espectadores, em Dresden, as meninas da seleção viveram um drama contra os Estados Unidos, e perderam nos pênaltis a vaga para a semifinal da Copa do Mundo 2011. "E Daiane se transformou definitivamente na figura trágica do jogo", comentou o site da revista alemã Kicker sobre o time comandado por Kleiton Lima.

Antes dos dois minutos de jogo, a norte-americana Wambach cruzou na área brasileira e quem marcou foi Daiane, gol contra. "A seleção não entrou bem no jogo", escreveu a revista.

A Kicker deixou de fora comentários polêmicos ao narrar o pênalti sofrido por Marta, cobrado pela primeira vez por Cristiane e defendido pela goleira norte-americana, Hope Solo, mas que, para a juíza Jacqui Melksham, foi irregular. Foi a própria Marta que cobrou de novo e empatou para o Brasil.

Para a Kicker, as jogadoras brasileiras "não conseguiram converter a superioridade numérica em gols" – a zagueira Buehler foi expulsa no lance que culminou no pênalti. Aos 2min da prorrogação, "Marta estava lá outra vez para exibir sua classe". Mas o fim da história não foi feliz para o Brasil.

Solo correu para celebrar com a torcida

Solo correu para celebrar com a torcida

Roteiro de Hollywood

Para a Spiegel Online, a goleira Solo foi a atriz principal da vitória dos Estados Unidos, "responsável pelo grande comeback do time". Num texto mais emotivo, a versão online da publicação alemã ressaltou o lado família da jogadora, que contava com a torcida do irmão e do sobrinho de 2 anos na arquibancada.

O site criticou a atuação da juíza australiana, que teria tomado algumas "decisões grotescas". A Spiegel Online também destacou a determinação das norte-americanas, o que levou "a melhora jogadora do mundo, Marta, a ficar sem um título do Mundial".

"O Brasil tem a melhor jogadora do mundo, mas nós fomos melhores como time", reproduziu o site a fala da técnica norte-americana, a sueca Pia Sundhage. Segundo o site, "a miséria brasileira contra o time dos Estados Unidos tem agora uma longa tradição: a 'seleção feminina' perdeu duas finais de Olimpíadas (2004 e 2006) e três dos até agora quatro confrontos em mundiais."

Marta foi elogiada pela imprensa alemã

Marta foi elogiada pela imprensa alemã

Atuação elogiada

"Dez americanas triunfam" é como o Frankfurter Allgemeine Zeitung (FAZ) noticiou o resultado da partida, que acabou com cinco pênaltis convertidos pelo time de Sundhage e três das brasileiras – com direito "à defesa de Hope da cobrança da azarada do dia, Daiane."

Para o jornal, essa foi uma grande partida: "Depois desse thriller, de longe o melhor jogo de quartas de final da Copa, o vencedor encontra a França pela semifinal". E no caso de Marta, que teve, ao longo de quase toda a partida, "incompreeensivelmente" de lidar com as vaias da plateia em Dresden, "ela conseguiu provar sua classe extraordinária sempre que foi necessário.

"A atuação de Marta foi muito elogiada, chamada de "chefe", com jogadas "espetaculares". Comandado por ela, o ataque produziu algumas "belas delicatessen", como afirma a matéria. Mas como no esporte "nem tudo acontece conforme o planejado", escreve o FAZ, a partida que tinha pinta de final acabou por eliminar a seleção brasileira.

Autora: Nádia Pontes
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais