1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Imagens da arte que nunca existiu

O projeto "Antologia da Arte", lançado na internet pelo artista alemão Jochen Gerz, pode ser apreciado numa exposição do Centro de Arte e Tecnologia de Mídia de Karsruhe (ZKM). Como seria a arte que nunca existiu?

default

Jochen Gerz, recorte de 'Map Wohnort'

Bildgalerie Deutsche Kunst der Nachkriegszeit Jochen Gerz, deutscher Künstler

Jochen Gerz

"No contexto da arte contemporânea, qual é a sua visão de uma arte ainda desconhecida?". Esta é a pergunta que o artista alemão Jochen Gerz lançou no ar, recebendo respostas de centenas de artistas e teóricos. As respostas – em texto e imagem – foram sendo publicadas gradativamente na rede, compondo o work in progress www.anthology-of-art.net. Os resultados deste trabalho de arte e mídia podem ser vistos até 7 de agosto no Centro de Arte e Tecnologia de Mídia de Karlsruhe.

Arte coletiva

Um procedimento típico da obra mais recente de Jochen Gerz, residente em Paris, é criar o contexto e estabelecer as regras do jogo para obras de arte coletivas. E a internet é a mídia que mais se apropria a este tipo intercâmbio. Em Oráculo de Berkeley (1997-99), por exemplo, usuários de todo o mundo foram convidados a formular uma pergunta "nova, esquecida ou jamais feita".

A nova Antologia da Arte, por sua vez, reúne as mais diferentes visões do que seria uma arte por vir, ainda desconhecida. Como visualizá-la? Um reflexo de luz sobre uma superfície escura, uma escada de pintor pintada sobre a parede, um diagrama que permite a reconstrução da obra de arte desaparecida, a foto de uma cama com dois abajures acesos ao lado. As respostas são tão plurais quanto a diversidade da arte contemporânea.

Obra sem autor

Jochen Gerz Ausstellung

Jochen Gerz diante da sua instalação de fotos 'As testemunhas de Cahors', Frankfurt an der Oder, 2003

Outro aspecto da obra de Jochen Gerz aparente na Antologia da Arte é o desaparecimento do artista no sentido de autor. Gerz, um dos nomes da arte conceitual alemã, apenas indicou os seis primeiros artistas e os seis primeiros críticos a participarem do projeto. Foram estes, por sua vez, que nomearam os próximos e assim por diante, até o projeto completar 26 "gerações" de participantes e um total de 156 imagens e 156 textos.

O caráter de work in progress também se aplica à recepção do projeto. Desde 2001, quando a ação foi lançada por Gerz, as contribuições de teóricos e artistas, inclusive brasileiros, foram aparecendo gradativamente na rede. Após o encerramento desta etapa, o material vem sendo reapresentado no formato de exposição e transitando por diversas cidades.

Teoria como arte

Gerz descreve o que ele pretendia atingir com este projeto: "Além de compilar uma coleção representativa de teoria contemporânea, a intenção era investigar um processo de colaboração, sem interferência ou influência de um autor tradicional. Pode-se dizer que a arte de hoje deixou de ser questionada. Muito pelo contrário, toda palavra sobre arte tende a se transformar ela mesma em arte."

ZKM Karlsruhe, Ausstellungsansicht Jochen Gerz

'Anthology of art', exposição de Jochen Gerz no ZKM, Karlsruhe).

"A Antologia da Arte testa os limites desta tendência: Será que um grande número de autores independentes pode produzir uma obra de arte? Será que esta forma de produção reflete a sociedade global melhor do que modelos de exposições de arte com curadoria tradicional?"

Arte do futuro

O que a Antologia da Arte tem em comum com o atual discurso da arte e da crítica e teoria de arte é pluralidade de vozes que não necessariamente culmina em diálogo. O processo não centralizado de escolha dos participantes – um procedimento aleatório explorado sobretudo pela arte conceitual das décadas de 60 e 70 – faz com que o acervo de opiniões e contribuições pareça ser representativo da atual coexistência de discursos paralelos.

Embora a Antologia da Arte não pretenda dar nenhuma resposta sobre o que seria a arte ainda desconhecida, ela certamente mostra com clareza que o projeto de uma arte futura dificilmente pode transcender os limites da produção contemporânea.

Leia mais

Links externos