Igreja Memorial pode fechar suas portas em Berlim | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 20.08.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Igreja Memorial pode fechar suas portas em Berlim

Campanha quer arrecadar fundos para salvar as ruínas da Igreja Memorial do Imperador Guilherme, destruída na Segunda Guerra Mundial, cuja estrutura pode ruir. São necessários 4,1 milhões de euros para manter o monumento.

default

Custos de restauração subiram de 3,5 para 4,1 milhões de euros

A Igreja Memorial do Imperador Guilherme (Kaiser-Wilhelm- Gedächtniskirche), um dos monumentos mais visitados da capital alemã, pode fechar suas portas caso não sejam arrecadados 4,1 milhões de euros para sua restauração. Pedaços da estrutura da fachada neogótica podem ruir, caso as obras não comecem até 2009. Mas a obtenção dos recursos ainda é incerta.

Inaugurada em 1895, a Igreja Memorial é um dos mais importantes pontos turísticos da capital alemã, que atrai milhares de visitantes todos os anos. Foi construída pelo Imperador Guilerme 2º, em homenagem ao seu avô, Guilherme 1º.

Ela tornou-se emblemática após ter sido quase totalmente destruída durante a Segunda Guerra Mundial. Apenas uma parte da torre foi poupada dos bombardeios ingleses e a população da cidade na época votou por sua manutenção como marco histórico. Nos anos 1960, foi construída no local uma nova igreja e o complexo foi adquirindo cada vez mais um significado político.

Tráfego abalou estrutura

A torre, que até 1943 tinha 113 metros de altura e agora conta com somente 68 metros, nunca foi totalmente reformada e precisa de reparos urgentes. Sua estrutura foi abalada pelo tráfego intenso e constante de veículos ao longo da movimentada avenida Kurfürstendamm, onde está situada.

Inicialmente, os custos da reforma haviam sido avaliados em 3,5 milhões de euros. Mas, devido à contínua deterioração, agora a fundação estima o valor em 4,1 milhões de euros. Com uma dívida pública que já soma 60 bilhões de euros, Berlim comprometeu-se a arcar com somente 1,5 milhão. A cidade espera agora obter uma contribuição do governo federal.

Uma campanha para salvar a torre, promovida pela fundação que administra a igreja, arrecadou outros 500 mil euros. Mas os restantes 2,1 milhões ainda são motivo de preocupação tanto para a fundação quanto para população, interessada em manter este patrimônio histórico.

Kaiser-Wilhelm-Gedächtniskirche in Berlin bei Nacht

Igreja é um dos principais pontos turísticos da cidade

Marko Rosteck, do Departamento de Planejamento Urbano da cidade, admitiu que a torre está severamente danificada e afirmou que o governo está muito interessado em preservar "um dos símbolos mais importantes de Berlim". No entanto, jornais alemães criticam a posição do governo, alegando que este investe milhões de euros na construção de novos edifícios.

Eventos beneficentes

Para mobilizar a população e também chamar a atenção da mídia para o problema, a fundação curadora vem organizando diversos eventos. Ainda no fim de 2007, um concerto beneficente contou com a presença da chanceler federal alemã, Angela Merkel. Naquela ocasião, até um piloto britânico que participou de ataques aéreos contra a Alemanha ofereceu doações, num gesto simbólico.

No início de setembro próximo, 12 artistas internacionais farão uma exposição no interior da igreja e leiloarão suas obras para angariar fundos. Outra iniciativa prevê que quem doar pelo menos 100 euros poderá escolher o detalhe da ruína que gostaria de consertar e ganhará um certificado de "apadrinhamento". E uma rede de supermercados organizará uma competição no rio Spree.

Mesmo assim, a previsão é de que as doações dificilmente acumularão até o final deste ano os 2,1 milhões de euros que ainda faltam. Por isso, Wolfgang Kuhla, diretor da fundação curadora da igreja, fez um apelo também ao Ministério da Cultura e se mostra esperançoso. "Quando checarmos nossas finanças no início de 2009, esperamos encontrar dinheiro suficiente ao menos para começar com os reparos", disse.

Leia mais