Igreja envelhece mais que sociedade | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 05.11.2003
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Igreja envelhece mais que sociedade

Como novo presidente da Igreja Evangélica da Alemanha (EKD), o bispo Wolfgang Huber terá que enfrentar um dos principais problemas da Igreja: o envelhecimento dos seus fiéis.

default

Huber, eleito por ampla maioria em Trier

O bispo Wolfgang Huber, 61 anos, foi eleito nesta quarta-feira presidente da Igreja Evangélica da Alemanha (EKD) pelo sínodo da entidade, reunido em Trier. O professor de Teologia e bispo em Berlim substitui Manfred Kock, que não se candidatou por motivos de idade. Entre os desafios a serem enfrentados pelo novo presidente está o envelhecimento dos membros da comunidade luterana, o que, em alguns anos, pode significar uma diminuição no total de fiéis e, conseqüentemente, na disponibilidade de recursos para a manutenção de serviços prestados pela Igreja.

No início dos anos 70, quando a EKD realizou a primeira pesquisa para averiguar como seus membros se relacionavam com ela, muitos previam que o percentual de adeptos às duas principais religiões alemãs cairia drasticamente. A queda não foi tão forte quanto anunciada (cerca de 5 milhões de alemães abandonaram a Igreja luterana desde 1970), mas um novo aspecto levanta preocupações: a idade média dos fiéis é maior que a da população do país.

“O mais grave será o fator demográfico. Nós já temos agora um maior envelhecimento dos membros da Igreja em comparação à população total”, afirma o sociólogo e teólogo Rüdiger Schloz, que apresentou recentemente os resultados da quarta pesquisa decenal entre os membros da EKD. Foram ouvidos quase 2 mil fiéis entre setembro e outubro de 2002. As consultas anteriores foram realizadas em 1972, 1982 e 1992.

Serviços serão afetados

Uma forte queda no número de membros teria efeitos imediatos nos serviços prestados pela Igreja, como asilos e centros de aconselhamento a famílias, já que os recursos disponíveis – principalmente oriundos do imposto da Igreja, descontado diretamente do salário dos fiéis – também seriam menores. Por outro lado, há uma constante elevação dos custos de pessoal e manutenção de instalações. Scholz ressalta não ser fácil adaptá-los à nova situação, "de modo que a Igreja enfrentará, nas próximas décadas, grandes dificuldades para manter os serviços que ela hoje oferece à sociedade". Para ele, a Igreja terá de adaptar sua estrutura à essa realidade e considerar o que ela ainda poderá sustentar.

Fraco engajamento

A pesquisa da EKD revelou que, para a maior parte dos fiéis, a relação com a Igreja pode ser traduzida na seguinte frase: “Bom que haja uma Igreja, mas para mim ela só precisaria existir em ocasiões especiais.” Em outras palavras, para a maioria a palavra Igreja está relacionada com batismo, confirmação, casamento, Natal e Páscoa. Poucos têm interesse em se engajar na vida comunitária.

Na opinião de Scholz, as expectativas dos fiéis em relação à atuação da Igreja são antes de mais nada convencionais. Segundo ele, espera-se que ela pregue a doutrina cristã de forma atual e humana, preste assistência religiosa à comunidade e se preocupe com a educação das crianças, traduzindo a tradição cristã de maneira compreensível e atraente para os menores.A comparação entre os resultados das quatro pesquisas mostra que, apesar da diminuição do número de fiéis, é constante o número de membros que se declara próximos da Igreja. O percentual dos que afirmam ter uma relação estreita ou se declaram relativamente ligados com a vida comunitária é de 37% no mais recente levantamento. Esse número não apresentou mudanças consideráveis em três décadas – foi de 37% em 1972, 36% em 1982 e 39% em 1992.