Igreja Católica alemã aprova pílula do dia seguinte para vítimas de estupro | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 22.02.2013
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Igreja Católica alemã aprova pílula do dia seguinte para vítimas de estupro

Decisão é tomada após dois hospitais católicos terem recusado medicamento a paciente que havia sido violentada sexualmente. Apenas as pílulas que previnem a concepção são toleradas, não as abortivas.

A Igreja Católica alemã decidiu autorizar a distribuição da chamada pílula do dia seguinte nos hospitais que administra, na condição de contraceptivo de emergência, a mulheres vítimas de estupro.

A decisão, tomada nesta quinta-feira (21/02), durante a assembleia-geral de bispos em Trier, é motivada pela polêmica criada no final de janeiro, quando dois hospitais católicos da cidade de Colônia se recusaram a ministrar o medicamento a uma vítima de estupro.

Após o caso, que provocou um amplo debate na Alemanha, o arcebispo de Colônia, cardeal Joachim Meisner, autorizou a utilização da pílula nos hospitais católicos de sua arquidiocese, forçando a Igreja a esclarecer sua posição quanto ao tema.

Deutschland katholische Kirche Kardinal Joachim Meisner in Köln

Meisner permitiu a pílula nos hospitais católicos de Colônia, obrigando Igreja a tomar posição

Entretanto, os religiosos sublinham que remédios apenas podem ser usados para prevenir a concepção e não como meio para induzir o aborto. "Continua a ser proibido usar procedimentos farmacêuticos ou médicos que levem à morte de um embrião", mesmo em casos de estupro, afirmam. Apenas as pílulas que previnem a concepção são toleradas, não as abortivas.

"As mulheres vítimas de violações têm, naturalmente, direito a uma ajuda humana, médica, psicológica e espiritual. Neste quadro, a administração de uma 'pílula do dia seguinte' é possível, na medida em que esta tem efeito contraceptivo e não abortivo", afirma a declaração divulgada pelos bispos alemães após o encontro.

MD/lusa/afp/ap/epd/dpa
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais