1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Flora Brasiliensis completa 100 anos como modelo de pesquisa da biodiversidade

Diretor do Jardim Botânico de Berlim elogia digitalização da obra, considerada referência mundial para pesquisas sobre a biodiversidade brasileira. Publicação dos originais foi concluída na capital alemã há um século.

default

Palicourea, planta descrita na Flora Brasiliensis

Cem anos depois de sua publicação, a Flora Brasiliensis mantém sua atualidade e continua servindo de modelo tanto para outras obras de botânica quanto para a realização de megaprojetos internacionais de pesquisa que exigem uma rígida divisão de tarefas.

Esta é a opinião do diretor do Jardim e do Museu Botânico de Berlim, Hans-Walter Lack, sobre a obra-prima da botânica brasileira, iniciada em 1840 e concluída em 1906 na capital alemã. "Ela serviu de modelo para publicações semelhantes na ex-União Soviética, na China e agora na Austrália, cuja flora ainda está sendo descrita", conta Lack, que também é professor da Universidade Livre de Berlim.

Idealizada por Carl Friedrich Philipp von Martius, então diretor do Jardim Botânico e professor da Universidade de Munique, e pelo pesquisador austríaco Stephan Ladislaus Endlicher, a Flora Brasiliensis contém a descrição de 22.767 espécies, que representam o conjunto das plantas conhecidas até meados do século 19, além de 3.811 desenhos de plantas, flores, frutos e sementes.

Os 15 volumes da obra são o resultado da chamada "missão austríaca", na qual Von Martius percorreu 10 mil quilômetros pelo Brasil entre 1817 e 1820. No começo de 2006, grande parte da pesquisa foi digitalizada e disponibilizada na internet (http://florabrasiliensis.cria.org.br). "Isso é um avanço gigantesco", disse Lack à DW-WORLD.

Segundo ele, os poucos exemplares impressos da Flora Brasiliensis encontram-se espalhados em bibliotecas e herbários mundo afora. "Agora, qualquer pesquisador brasileiro ou estrangeiro, mesmo fora dos grandes centros, consegue folhear virtualmente na Flora. Isso é importante porque quem quiser pesquisar a biodiversidade brasileira sempre terá de recorrer a esta fonte referencial", disse Lack.

Material de campo

Ele explicou que estão sendo empreendidos esforços internacionais para escanear os exemplares das plantas descritas na Flora e também disponibilizar essas informações adicionais na internet. Esse material de campo foi analisado à época por mais de 60 pesquisadores da Europa e dos Estados Unidos.

Estudos recentes indicam que a biota brasileira abrange cerca de 1,8 bilhão de espécies, mas que "apenas" entre 170 mil e 210 mil espécies são cientificamente conhecidas até hoje. Segundo Lack, ainda existe uma grande lacuna na pesquisa, sobretudo no que diz respeito às espécies vegetais encontradas nas regiões mais próximas à linha do Equador.

O cientista alemão concorda com a opinião de pesquisadores brasileiros de que a melhor forma de combater a biopirataria é conhecer a biodiversidade. Ele disse, porém, que um projeto como o de Von Martius, que durou 66 anos, seria hoje diferente, não só devido às possibilidades oferecidas pela comunicação eletrônica.

"Só haverá uma segunda Flora Brasiliensis se o Brasil quiser. Isso não é mais possível por decisão unilateral, de fora, como no século 19. O que, no entanto, continua válido é o reconhecimento de que projetos dessa grandeza só são viáveis através da cooperação internacional", afirmou.

Leia mais