Iêmen, novo palco da guerra antiterror, é base da Al Qaeda há tempos | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 03.01.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Iêmen, novo palco da guerra antiterror, é base da Al Qaeda há tempos

EUA e Reino Unido fecham embaixadas no Iêmen após ameaças de terrorismo pela Al Qaeda. Tentativa de atentado em Detroit chamou atenção para o Iêmen como refúgio de terroristas, um papel que o país já desempenha há muito.

default

Embaixada norte-americana em Sana é patrulhada por soldados iemenitas

El Kaida im Jemen im Visier der US-Militärs

Membros iemenitas da Al Qaeda na prisão, sob vigilância norte-americana

O Iêmen gosta de mostrar às autoridades ocidentais os rígidos treinamentos de suas unidades militares antiterror. Uma imagem menos propagada é a de que esses treinamentos ocorrem sob vigilância e orientação de especialistas norte-americanos já atuantes há anos no país.

Afinal, o Iêmen está se tornando uma plataforma cada vez maior para adeptos e simpatizantes da rede terrorista Al Qaeda. À medida que os terroristas começaram a ser mais perseguidos em outros lugares, o país passou a funcionar como refúgio ideal.

Governo central frágil torna país propício para terroristas

Kämpfe in Jemen

Clãs fieis ao governo central dispostos a combater xiitas no norte

Desprovido de um poder central de fato, o Iêmen está há tempos a ponto de se desintegrar. Não por causa dos clãs que governam as diferentes regiões e afirmam sua independência perante o governo central em Sana, mas sim em decorrência dos movimentos separatistas no sul do país e do conflito cada vez mais acirrado com os clãs xiitas do norte.

O sul do país compunha a República Popular Democrática até 1990, ano em que o Iêmen se reunificou. A diferente trajetória da região meridional torna os habitantes locais mais resistentes a um governo central; enquanto, no norte, o conflito com os clãs é muito mais antigo.

Kriegoffensive im Jemen

Rebeldes xiitas divulgam imagens de bombardeios do governo central no norte do Iêmen

Esses problemas internos, associados à grande pobreza, ao atraso, ao baixo nível de formação educacional e ao enraizamento religioso tradicional da população, estão levando o Iêmen ao limite de um "Estado fracassado" – uma situação em que o Afeganistão também já se encontrou.

Essa situação é o solo ideal para grupos terroristas, facilitando que eles escapem de vez ao controle estatal. Além disso, o Iêmen tem uma posição geográfica e regional vantajosa: faz fronteira com a Arábia Saudita, onde se originou o núcleo mais resistente da Al Qaeda, não fica longe da Somália e de outros países da África Oriental, além de se situar em rotas marítimas de importância mundial e grande significado estratégico.

Jemen Altstadt von Sanaa Stadttor Bab el Jemen

Capital Sana

Diante desse quatro, a ex-diplomata iemenita nos Estados Unidos, Barbara Bodine, considera necessário tomar uma atitude. "A questão agora não é escantear o Iêmen como um país fracassado ou à beira do declínio. Temos que ver como impedir que o país caia do lado errado da 'curva de fracasso'", observou ela.

Descaso do Ocidente não é de hoje

Durante anos, os EUA e seus aliados fizeram muito pouco nesse sentido, apesar de o Iêmen ter começado a atrair o terrorismo internacional desde o 11 de Setembro, um fato conhecido.

Em 2000, 17 membros da tripulação do navio de guerra norte-americano USS Cole morreram na costa sul do Iêmen, após terem sido atacados por homens-bomba que haviam chegado ali de bote. Desde então, os EUA estão em busca dos mentores do atentado, sem, entretanto, se importarem muito com a decadência generalizada do Iêmen. Para tal, os americanos já estão ocupados demais com o Iraque, o Afeganistão e também com o Paquistão.

Há um certo tempo, aumentam os sinais de alerta. Sempre aconteceu de estrangeiros serem sistematicamente sequestrados no Iêmen, mas no início o governo central conseguia pelo menos resgatar os reféns, cedendo a certas exigências dos sequestradores. Agora, porém, já passou a haver casos que terminam com o assassinato do estrangeiro.

"Al Qaeda da Península Árabe"

Há muito a motivação dos atos de terror deixou de ser política ou religiosa. Ao contrário do que ocorria antes, já não se trata mais de pressionar a construção de uma estrada ou a libertação de presos pertencentes a algum clã.

Kämpfe im Jemen - Flüchtlinge

Refugiados dos confrontos regionais no Iêmen

Tudo foi se agravando à medida que os adeptos da Al Qaeda começaram a se fortalecer no Iêmen. Os iemenitas retornados de Guantánamo se reintegraram à organização terrorista e dezenas de criminosos presos no país escaparam da penitenciária, retomando seu ofício sanguinário. Além disso, eles se uniram aos ativistas da Al Qaeda na Arábia Saudita, onde a organização está sob forte pressão, constituindo com eles a "Al Qaeda da Península Árabe".

Nada disso provocou reações no exterior, nem nos países que passaram a combater o terrorismo ativamente em outros lugares. Somente a tentativa fracassada de atentado contra um avião norte-americano durante a aterrissagem em Detroit, ocorrida no dia de Natal, veio a alarmar o Ocidente.

Umar Farouk Abdulmutallab

O nigeriano Umar Farouk Abdulmutallab foi recrutado no Iêmen

O executor do atentado provém da Nigéria, mas foi recrutado pela Al Qaeda no Iêmen. O presidente norte-americano, Barack Obama, não apenas anunciou uma investigação do caso pelos órgãos de segurança norte-americanos, mas também prometeu intensificar a cooperação com o Iêmen.

Autor: Peter Philipp (sm)
Revisão: Marcio Damasceno

Leia mais