1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Hungria reverte suspensão de regra europeia sobre refugiados

Governo húngaro havia suspendido aplicação de regra para o processamento de pedidos de asilo com o argumento de que "o barco está cheio", em referência aos refugiados que entram pela fronteira com a Sérvia.

default

Imigrantes ilegais são detidos por policiais húngaros na fronteira com a Sérvia

A Hungria reverteu nesta quarta-feira (24/06) a decisão de suspender uma regra da União Europeia (UE) sobre o processamento de pedidos de asilos feitos por refugiados nos países-membros.

Na prática, a chamada regulamentação de Dublin estipula que o pedido de asilo de um refugiado deve ser processado no primeiro país da UE ao qual ele chega. O objetivo é evitar que os imigrantes sejam "empurrados" de um país para o outro.

"O ministro do Exterior, Peter Szijjarto, informou o seu homólogo austríaco de que a Hungria não suspenderia nenhuma regra da União Europeia", afirmou o ministério húngaro em comunicado. Em vez disso, o governo húngaro pediu aos parceiros europeus um tempo [em forma de moratória] para poder lidar com as dezenas de milhares de refugiados que chegam ao país.

A decisão unilateral havia sido tomada por Budapeste na noite desta terça-feira. "O barco está cheio", ironizou o porta-voz do governo, Zoltan Kovacs. Segundo o governo húngaro, apenas neste ano mais de 60 mil solicitantes de asilo entraram no país pela vizinha Sérvia, que não faz parte do bloco europeu.

Segundo a agência de estatísticas da UE, Eurostat, quase 20% dos pedidos de asilo registrados pelo bloco foram feitos à Hungria. "O sistema de asilo na Hungria é o mais sobrecarregado entre os países da UE afetados pela imigração ilegal", alegou Kovacs. "Queremos uma solução europeia, mas temos que proteger os interesses da Hungria e da nossa população."

A Hungria recuou depois de a UE ter exigido esclarecimentos sobre a decisão. Em comunicado, a porta-voz da Comissão Europeia, Natasha Bertaud, afirmou que o sistema de asilo europeu oferece mecanismos para dar apoio efetivo aos países-membros que estão sobrecarregados com o fluxo de imigração.

Restrições

O ministro húngaro do Exterior, Peter Szijjarto, afirmou que o país vai construir o mais rápido possível um muro de quatro metros de altura ao longo da fronteira do país com a Sérvia para evitar a entrada de imigrantes ilegais. A barreira deve custar cerca de 20 milhões de euros.

O parlamento húngaro ainda precisa aprovar a proposta. Os legisladores também analisam um dispositivo que permitiria ao país deportar de forma ágil imigrantes que entram de forma ilegal pela Sérvia.

Além da Hungria, República Tcheca, Polônia e Eslováquia pediram à União Europeia que deixe os países-membros decidirem sozinhos a quantidade de imigrantes que podem receber. Em maio, a UE fez uma proposta de estabelecer cotas para o abrigo de refugiados entre os países do bloco, de acordo com o tamanho da população, o Produto Interno Bruto (PIB) e os níveis de desemprego.

"O princípio da voluntariedade é claramente uma prioridade", declararam os quatros países em comunicado. "Afirmamos que qualquer pedido de cotas obrigatórias é inaceitável para nós."

KG/afp/dpa/lusa

Leia mais