1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Hungria desafia UE em disputa sobre refugiados

Em decisão unilateral, país suspende acordo da União Europeia que estabelece regras para a acolhida de imigrantes nos países-membros. Áustria chama decisão de inaceitável, e Bruxelas cobra explicações.

default

Imigrantes ilegais são detidos por policiais húngaros na fronteira com a Sérvia

A Hungria decidiu suspender um acordo da União Europeia (UE) que estabelece regras para a acolhida de refugiados nos países-membros. A Convenção de Dublin, em vigor desde 1997, define que o primeiro país por onde o solicitante entrou é obrigado a tratar seu caso. O objetivo é evitar que os migrantes sejam "empurrados" de um país para o outro.

"O sistema de asilo na Hungria é o mais sobrecarregado entre os países da UE afetados pela imigração ilegal", alegou o porta-voz do governo, Zoltan Kovacs, em Budapeste. "Queremos uma solução europeia, mas temos que proteger os interesses da Hungria e da nossa população."

Segundo o governo húngaro, apenas neste ano, mais de 60 mil solicitantes de asilo entraram no país pela vizinha Sérvia, que não faz parte do bloco europeu. Na semana passada, a Hungria divulgou o plano de construir uma barreira de quatro metros de altura ao longo da fronteira com a Sérvia para dificultar a entrada de requerentes de asilo.

O primeiro-ministro Viktor Orban demonstrou frustração com a

proposta da UE

de estabelecer cotas para o abrigo de refugiados entre os países-membros, e disse que a Hungria se nega a receber novos imigrantes sob a regulação do bloco.

O novo sistema, proposto em maio pela EU, estabeleceria um número máximo de refugiados para cada país, baseado no tamanho da população, no Produto Interno Bruto (PIB) e nos níveis de desemprego.

A vizinha Áustria criticou a decisão do governo húngaro e a classificou como "inaceitável". O país também alertou para as consequências negativas da medida tomada por Budapeste. "A Áustria não pode tolerar isso", afirmou o ministro dos Negócios Estrangeiros, Sebastian Kurz. A maioria dos imigrantes que chega ao país vem da Hungria e da Itália.

A Comissão Europeia pediu um "esclarecimento imediato" sobre a decisão unilateral da Hungria. Líderes da UE devem discutir a acolhida de refugiados que chegam pelo mar Mediterrâneo à Grécia e à Itália na reunião de dois dias do bloco, em Bruxelas, nesta quinta e nesta sexta-feira.

KG/rtr/afp

Leia mais