1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Hungria aprova lei mais rígida para requisição de asilo

Parlamento autoriza construção de cerca na fronteira com a Sérvia para barrar migrantes e aceleração de processo de análise de pedidos de asilo. Medidas são criticadas como duro golpe contra proteção a refugiados.

Apesar de críticas internacionais, o Parlamento húngaro aprovou nesta segunda-feira (06/07) uma legislação mais rígida para a requisição de asilo no país. A proposta prevê acelerar o processo de análise dos pedidos e a rejeição de solicitações de migrantes vindos da Síria, Afeganistão e Iraque e que passaram por outros países "seguros" antes de chegar à Hungria.

A nova lei estabelece também o cancelamento de pedidos de refugiados que deixarem suas residências por mais de 48 horas sem autorização oficial. Além disso, a proposta inclui a

construção de uma cerca

de 175 quilômetros de comprimento e quatro metros de altura na fronteira com a Sérvia, para impedir a entrada de migrantes.

"A Hungria está sendo confrontada com a maior onda de migrantes da sua história, suas capacidades estão sobrecarregadas em 130%", afirmou o ministro do Interior do país, Sandor Pinter, pouco antes de a lei ser votada.

A nova legislação foi aprovada pela grande maioria do Parlamento: 151 parlamentares votaram a favor da proposta e apenas 41 se manifestaram contrários, apesar das duras críticas internacionais.

Na última sexta-feira, o comissário de Direitos Humanos do Conselho da Europa, Nils Muiznieks, disse que a alteração seria "um golpe duro" contra a proteção aos refugiados, considerada "uma das conquistas mais importantes das sociedades democráticas". A ONU também criticou a medida.

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, atribuiu o crescente número de imigrantes, principalmente aqueles que deixam seus países por questões econômicas, a "políticas ruins", afirmando que eles "podem aumentar e induzir a multiplicação da migração em massa".

O governo de direita de Orban é contrário a imigração e criticou os planos da União Europeia de introduzir um sistema de cotas de refugiados. Cerca de 70 mil migrantes chegaram ao país somente neste ano, tendo a maioria entrado pela fronteira com a Sérvia.

CN/dpa/afp/rtr/ap/kna

Leia mais