Humor: solução para a integração européia? | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 30.08.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Humor: solução para a integração européia?

Rir do outro pode ser o caminho para uma melhor compreensão entre a população dos 27 países da União Européia.

default

Piadas: cruéis na aparência, mas úteis para o entendimento mútuo

Mesmo que os burocratas da UE insistam que o bloco criou uma zona de paz e harmonia no continente, o que os cidadãos dos países que formam a União mais fazem é contar piadas uns sobre os outros. Os belgas, por exemplo, povoam o repertório das piadas tanto na França quanto na Holanda, países onde são considerados "estúpidos, ingênuos ou obcecados por comida e bebida".

Mas eles não deixam por menos: na Bélgica, a vingança é fazer piadas sobre holandeses ou sobre os "arrogantes" franceses e alemães. "Qual é a diferença entre Deus e um francês?", pergunta uma das piadas populares no país. A resposta: "Deus não acredita que ele seja francês".

A mesma "troca de amabilidades" no humor permeia as relações entre os habitantes dos países bálticos, onde letônios, estônios e lituanos brincam com os estereótipos. Já na Inglaterra, são os irlandeses que provocam altas risadas.

Rir de quem se conhece bem

05.05.2006 PZ Projekt Zukunft mund

A tradição do humor prova: é mais fácil dar risada do semelhante que do estranho

Entre os "teóricos do riso", ou seja, especialistas que dedicam até teses ao assunto, parte-se do princípio de que tais brincadeiras só surgem entre nações próximas, cujos habitantes são familiares uns aos outros, o que vale para o exemplo da piada estoniana sobre a vizinha Finlândia: "Dois finlandeses compram uma garrafa de vodka. Um diz para o outro: 'Saúde'. O outro responde: Afinal, você veio aqui para beber ou para conversar?". A alusão, no caso, é à fama de caladões e retraídos dos finlandeses.

Muitas vezes, porém, as piadas são um sintoma de preconceitos e rejeição a minorias étnicas. Na Letônia, por exemplo, conta-se que um norte-americano, um russo e um letônio estão sentados num trem. O americano joga um cigarro pela janela e diz: "De onde eu venho temos tantos cigarros que simplesmente tenho vontade de atirá-los pela janela". O russo pega então uma dose de vodka, atira pela janela e diz o mesmo. O letônio, por sua vez, pensa um minuto, abre a janela e joga o russo pela janela".

Amantes italianos ou suíços?

Já na Áustria, por sua vez, são so alemães motivo de piadas, muitas delas consideravelmente cruéis. Mas mesmo que o sarcasmo de uns em relação aos outros deixe alguns burocratas em Bruxelas, sede da UE, de cabelo em pé, muitos acreditam que é só através do humor que as diferenças culturais podem ser realmente aceitas. E os preconceitos subvertidos pelo viés da brincadeira.

E o que pode simbolizar mais a integração européia que uma piada corrente em vários países do continente: "No céu, há cozinheiros franceses, policiais ingleses, mecânicos alemães, amantes italianos e banqueiros suíços. No inferno, já cozinheiros ingleses, policiais alemães, mecânicos franceses, amantes suíços e banqueiros italianos".

Leia mais