1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Hollande anuncia plano para recuperar economia francesa em dois anos

Em baixa nas pesquisas de popularidade, presidente francês quer priorizar criação de empregos, tornar o país mais competitivo e equilibrar contas públicas.

O presidente francês, François Hollande, anunciou neste domingo (09/09) uma agenda para a recuperação econômica do país durante os próximos dois anos e garantiu que vencimentos superiores a 1 milhão de euros serão taxados em 75% sem exceções.

"Vou estabelecer uma agenda de recuperação. Dois anos para pôr em prática uma política para o emprego, para a competitividade e para equilibrar as contas públicas", afirmou Hollande à emissora TF1, na sua primeira entrevista televisiva depois das férias de verão.

Quatro meses depois da sua eleição, Hollande enfrenta uma queda de sua popularidade. Durante a entrevista, disse que "escuta a impaciência" dos franceses com o "desemprego elevado", a competitividade da economia "degradada", os "déficits consideráveis" e com o "endividamento histórico" do país.

Contudo, o presidente argumentou que depois de ter assumido, "o governo não perdeu tempo, agiu rapidamente". Hollande lembrou o aumento do salário mínimo e de diversos serviços sociais, junto com o congelamento do preço dos combustíveis. 

Embora tenha assumido que essas medidas não são suficientes, o socialista defendeu-se: "Não vou fazer em quatro meses o que os meus antecessores não fizeram em cinco ou em dez anos. Mas estou no combate, não quero olhar para o passado", disse.

Hollande destacou entre as suas prioridades o combate ao desemprego. Para o presidente, a tendência crescente desta taxa, que já está quase em 10%, "deve ser invertida no espaço de um ano".

O presidente garantiu ainda que a sua promessa de campanha de taxar em 75% os rendimentos anuais superiores a 1 milhão de euros será cumprida e que a medida será aplicada sem exceções. "O meu objetivo é a construção de uma sociedade solidária. O compromisso que assumo é o de que os franceses possam dizer, em 2017, que vivem melhor do que em 2012", acrescentou.

AS/lusa/afp
Revisão: Marcio Damasceno

Leia mais