1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Holanda recebe aquarela perdida de Hitler

Quadros do ditador nazista costumam ser leiloados por milhares de dólares. Não na Holanda: mulher decide se livrar de obra comprada pelo pai por acaso, não consegue achar quem queira e decide doá-la a instituto.

Adolf Hiltler 1941 (picture-alliance/AP)

Adolf Hitler em foto de 1941

A agência do governo holandês encarregada de pesquisas sobre a Segunda Guerra Mundial recebeu como doação uma aquarela pintada por Adolf Hitler, noticia neste domingo (26/11) a imprensa local.

A pintura mostra uma torre em Viena e é considerada a única obra do ditador nazista existente na Holanda. A doadora não quis revelar sua identidade, e não se sabia da existência do quadro até então.

Segundo o jornal De Volkskrant, a mulher não queria a pintura em sua casa, e duas casas de leilões se recusaram a colocá-la a venda.

Embora noticiada agora, a doação foi feita no início do ano à NIOD, instituto estabelecido pelo governo local após a Segunda Guerra para criar um arquivo nacional relacionado à ocupação nazista na Holanda (1941-45).

A obra foi comprada por apenas 75 centavos pelo pai da doadora numa feira de selos e moedas, e ele só teria percebido se tratar de uma pintura do ditador nazista tempos depois.

O quadro tem a assinatura A. Hitler e foi autenticado pelo NIOD. Entre 1909 e 1913, Hitler vivia da venda de cartões-postais pintados. Estima-se que ele tenha feito entre 2 mil e 3 mil aquarelas, das quais 800 ainda existem.

A maioria dos trabalhos de arte de Hitler está em coleções privadas em Áustria, Reino Unido, Alemanha e EUA. O Exército americano ainda tem quatro aquarelas do ditador nazista confiscadas por soldados durante a guerra.

Em 2015, 14 desenhos de Hitler foram a leilão em Nurembergue e renderam um total de 400 mil euros. O preço mais alto foi pago por uma aquarela do castelo de Neuschwanstein, localizado na Baviera: um comprador chinês desembolsou 100 mil euros por ele.

RPR/afp/ots

Leia mais