Holanda quer introduzir imposto sobre trajeto percorrido pelo veículo | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 16.11.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Holanda quer introduzir imposto sobre trajeto percorrido pelo veículo

Principais objetivos do projeto de lei são a proteção climática e a redução do número de engarrafamentos e de acidentes. Futuramente, o motorista holandês deverá pagar ao menos 3 centavos de euro por quilômetro rodado.

default

Cidades holandesas estão entre as regiões de maior tráfego na Europa

A partir de 2012, o governo holandês quer transformar o imposto sobre a propriedade de veículos automotores em imposto sobre o uso dos veículos nas estradas. Na semana passada, o gabinete de governo aprovou o uso de um sistema baseado na navegação por GPS para calcular a quilometragem percorrida por cada automóvel ao ano.

Futuramente, o motorista holandês deverá pagar ao menos 3 centavos de euro por quilômetro rodado. Em contrapartida, o imposto sobre veículos automotores deixará de ser cobrado – hoje, para um carro de médio porte, esse imposto é frequentemente superior a 600 euros anuais. Deixa de existir também o imposto cobrado na aquisição de um carro novo, que perfaz em média 25% do preço de compra.

O novo tributo pretende estimular os motoristas holandeses a deixarem seus automóveis em casa. Os principais objetivos do projeto de lei do primeiro-ministro Jan Peter Balkenende é a proteção climática e a redução do número de engarrafamentos e de acidentes.

Exemplos semelhantes

Klima Verkehr Auspuff Autoabgase Steuer

Holandeses esperam reduzir emissões

Caso os efeitos esperados pelo governo holandês não se concretizem, o imposto deverá ser reajustado. De qualquer forma, até 2018 essa contribuição será elevada paulatinamente, conforme a categoria do automóvel, para uma média de 6,7 centavos de euro por quilômetro rodado.

O projeto de lei ainda terá que ser aprovado pelo Parlamento holandês. Assim, Jan Peter Balkenende leva a cabo uma reforma que vinha sendo discutida há 20 anos no país. Entre as regiões de maior tráfego na Europa estão cidades holandesas como Amsterdã, Haia e Utrecht.

Exemplos semelhantes já existem. Para controlar os engarrafamentos diários nas horas de rush, Londres introduziu uma taxa de congestionamento para quem quiser dirigir pelo centro da capital britânica. Singapura é até agora o único país a ter introduzido um sistema de imposto sobre veículos comparável ao holandês.

Rebatendo críticas

Para o cálculo do "imposto sobre trajeto percorrido", todos os automóveis holandeses deverão ser aparelhados com sistemas especiais de rastreamento via satélite (GPS). Eles registrarão os quilômetros rodados e enviarão as informações para uma central que, por sua vez, irá retirar o dinheiro da conta do motorista. Por motivos de proteção de dados, as informações sobre a rota percorrida não serão armazenadas.

Camiel Eurlings, ministro holandês dos Transportes, rebateu as críticas de que os sistemas de GPS seriam uma ameaça à privacidade dos motoristas. Segundo o ministro, além de estarem protegidos de forma legal e técnica, os dados seriam transmitidos somente às autoridades fiscais.

Além dos problemas de proteção de dados, críticos suspeitam que o sistema não seja financiável. Eles esperam uma diminuição da arrecadação de cerca de um bilhão de euros. O governo argumenta, por outro lado, que futuramente seis entre dez motoristas pagarão menos imposto sobre veículos, mas que no total o valor arrecadado continuará o mesmo.

KfZ Steuer Verkehr Niederlande Nummernschild

Modelo holandês é exemplar, diz especialista alemão

Exemplo de reforma

Com o novo imposto, o governo holandês espera reduzir pela metade os engarrafamentos nos horários de pico. No total, o governo prevê uma redução do tráfego em 15% e das emissões de CO2 ocasionadas por automóveis em 10%.

Na Alemanha, a proposta holandesa foi bem recebida. Ferdinand Dudenhöffer, perito em indústria automobilística da Universidade Duisburg-Essen, afirmou que os alemães deveriam "tomar como exemplo o excelente modelo".

Em comparação com a reforma holandesa, o imposto sobre automóvel cobrado na Alemanha é "um mostro", disse Dudenhöffer. "Por um automóvel que roda anualmente 100 quilômetros, paga-se na Alemanha imposto igual ao do modelo com que se percorre 100 mil quilômetros", reclamou o perito.

CA/afp/ap/dpa

Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais