1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Historiadores alemães pedem acesso aos arquivos da KGB

Com dois anos de atraso, foi inaugurado o Instituto Histórico Alemão em Moscou. As autoridades russas adiaram sua inauguração também pelo fato de tratar-se do acesso de alemães a documentos secretos.

default

Antigo quartel-general da KGB em Moscou

Na última segunda-feira (12/09), foi inaugurado em Moscou o Instituto Histórico Alemão, onde a história entre a Rússia e a Alemanha deverá ser pesquisada. A peça-chave do instituto é a biblioteca, onde se encontram livros e documentos sobre a história e sobre a relação entre as duas nações. Além disso, a distribuição de bolsas de estudo a estudantes e professores de universidades é um dos objetivos do novo instituto.

A equipe da instituição não é grande: dois cientistas alemães e dois cientistas russos, dois funcionários administrativos e o diretor do instituto, Bernd Bonwetsch, da Universidade de Bochum. Na opinião do diretor, o fato de haver cientistas russos no instituto irá impedir que tanto o governo quanto a opinião pública russas considerem as pesquisas ali realizadas como tendenciosas e pró-ocidentais. Além do mais, é mais fácil para pesquisadores locais entrar em contato com os responsáveis pelos arquivos secretos do Ministério das Relações Exteriores e dos serviços secretos federais.

O sexto instituto

Cinco milhões de euros foram disponibilizados pela Fundação Krupp e pela editora do semanário Die Zeit para abrir o instituto. Com este dinheiro, ele deve funcionar por pelo menos cinco anos. Após este período, o financiamento da instituição será previsto no orçamento federal alemão.

O apoio estatal aos institutos históricos alemães já tem uma longa tradição. O primeiro instituto foi fundado em 1888 em Roma, depois que o Vaticano permitiu o acesso aos seus arquivos. Mais tarde, institutos idênticos foram fundados em Paris (1958), Londres (1975), Washington (1987) e Varsóvia (1993).

O professor Victor Ishchenko, historiador moscovita, ressalta que os alemães desempenharam durante séculos um grande papel na história da ciência e cultura russas. Da mesma forma, a influência russa sobre a Alemanha é notável. O secretário da comissão de historiadores teuto-russos afirma que "por esta razão existe a necessidade de se construir um quadro histórico completo dos alemães na Rússia e dos russos na Alemanha, inclusive de todas as levas de emigração".

Status diplomático negado

A inauguração do instituto estava planejada para 2003. Na opinião da mídia alemã, as autoridades russas teriam tentado constantemente postergá-la.

Para Bonwetsch, a demora ocorreu também pelo fato de os alemães tentarem obter o status diplomático para os funcionários do instituto. Tal status têm também os funcionários do Instituto Goethe. O status foi entretanto negado ao historiadores.

O terceiro motivo da demora foi a reforma administrativa na Rússia. Durante meses, nenhuma instituição russa estava habilitada a reconhecer o novo instituto. Quando este problema organizacional foi solucionado, tudo correu tão depressa que os alemães nem tiveram tempo de juntar a papelada necessária, explicou Bonwetsch.

O Instituto Histórico Alemão está localizado nas instalações do Instituto Inion da Academia Russa de Ciências. Segundo Bonwetsch, a decisão dos organizadores de não se filiar à Universidade Lomonosov de Moscou ou à Faculdade de Relações Internacionais foi proposital, para facilitar o andamento das pesquisas.

Leia mais