História da papisa Joana chega às telas em produção alemã | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 25.10.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

História da papisa Joana chega às telas em produção alemã

Uma mulher tem que viver disfarçada de homem para perseguir sua sede de saber. Parece puro Hollywood, mas não é: Johanna foi uma alemã do século 9º que chegou a Roma. Porém historiadores ainda discutem sua existência.

default

Johanna Wokalek representa a papisa

Em 1996, o romance histórico A Papisa Joana, de Donna Woolfolk Cross, foi lançado, e logo se tornou best-seller mundial. Após várias tentativas frustradas de produtores norte-americanos, os direitos de filmagem foram adquiridos pelos alemães Martin Moskowicz e Oliver Berben, da Neue Constantin Film, que entregaram a direção de Die Päpstin (A Papisa) a Sönke Wortmann ( O milagre de Berna).

É verdade que o filme lançado nete final de outubro nas telas alemãs lembra bastante as grandes produções de Hollywood, e também foi concebido para o mercado internacional. Ao lado da alemã Johanna Wokalek ( O complexo Baader-Meinhof), que representa o papel-título, aparece um elenco internacional, como David Wenham ( O Senhor dos Anéis), John Goodman ( Delírios de consumo de Becky Bloom), Iain Glen ( Resident Evil) ou Anatole Taubman ( Lutero).

A costela e o barro

Johanna nasceu no ano de 814 num povoado da Saxônia. Seu pai, padre desalmado e déspota familiar, sonha que um dia os filhos do sexo masculino entrarão para o mosteiro, e ignora a menina altamente talentosa. Mas ela quer ler a Bíblia, e para tal pede ao irmão Matthias que lhe ensine a ler e escrever.

Die Päpstin Szenenbild

No mosteiro beneditino em Fulda

Quando este adoece e morre, parece não haver mais perspectivas para ela. Somente a visita do erudito Aesculapius à aldeia traz um pouco de luz à sua vida. Admirado com os conhecimentos de latim e com a perspicácia da garota, ele passa a lhe dar aulas.

Ao ser enviado para a Grécia, o estudioso recomenda à escola da catedral que receba a jovem. Porém, em seu lugar, o pai envia o filho a Dorstadt, para onde Johanna também vai, fugindo do povoado. Na cidade, ela se dá plena conta de até que ponto a sociedade medieval encara as mulheres como inferiores e submissas ao homem.

A pequena grande diferença

"Como pode a mulher estar abaixo do homem na criação, se pensarmos que ela foi feita da costela de Adão? Adão, por sua vez, foi modelado com barro úmido."

Com essas palavras, Johanna impressiona até mesmo o sibarítico bispo e acaba por ser aceita na escola. O conde Gerold a toma sob sua proteção, leva-a para casa, e entre os dois se desenvolve uma amizade que ao longo dos anos até mesmo se transforma em amor.

Quando a esposa de Gerold fica sabendo dessa ligação, secretamente arranja um casamento para a rival, enquanto o marido se encontra de viagem. Justamente durante a cerimônia matrimonial, os normandos atacam a cidade e a devastam. Johanna é uma das poucas sobreviventes, e agora tem certeza de que, como mulher, não conseguirá realizar seus desejos.

Flash - Galerie die Päpstin von Sönke Wortmann

Johanna entre a vocação e o amor de Gerold (David Wenham)

Ela corta os cabelos e, vestida de monge, vai para Fulda, onde ingressa num mosteiro. Lá, vive vários anos como "homem de medicina" respeitado, até surgir a ameaça de que sua identidade seja descoberta. A religiosa foge, peregrina até Roma, onde se engaja pelos pobres e cura muita gente

Ela é chamada para cuidar do papa Sérgio, então gravemente doente. Após tratá-lo com sucesso, avança ao posto de "conselheiro" do pontífice, e mais tarde até mesmo de "sucessor". Ao mesmo tempo, Gerold chega a Roma, e o amor entre os dois volta a se inflamar.

Ficção e história

Die Päpstin (A Papisa) é um filme com muitos momentos fortes, seus cenários são visualmente fascinantes. Quer a vida no povoado, no mosteiro ou, mais tarde, em Roma: as imagens tão opulentas quanto sombrias da Idade Média são convincentes em todas as tomadas.

Do ponto de vista da atuação, em contrapartida, o trabalho de Wortmann é menos do que brilhante, Nenhum dos membros do elenco realmente se destaca. Johanna Wokalek havia demonstrado entusiasmo com a tarefa de representar a protagonista, de mostrar a luta de uma mulher ambiciosa entre fé, amor e até mesmo falsa identidade.

Die Päpstin Szenenbild

Norte-americano John Goodman é Sérgio, o antecessor da papisa

"Eu não queria necessariamente ser mulher nesse tempo. O filme mostra que força Johanna teve que desenvolver para seguir seu próprio caminho. Isso me impressionou incrivelmente", comentou a atriz.

No entanto, embora tendo alguns bons momentos, a aparência excessivamente feminina de Wokalek impede que ela seja convincente no papel de falso homem nos quadros da Igreja. Além disso, a música sobrecarrega a ação com uma emocionalidade artificial, o que é desnecessário, já que o filme fala por si.

O diretor Sönke Wortmann mantém-se bastante fiel ao romance original, e não é preciso ser nenhum especialista para prever que a produção terá bom sucesso de bilheteria. E enquanto isso historiadores e estudiosos da Igreja Católica negam que a história da papisa Joana tenha transcorrido desta forma. Ou que sequer tenha existido uma papisa.

Autor: Bernd Sobolla (av)
Revisão: Soraia Vilela

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados