Hillary aumenta vantagem sobre Trump em nova pesquisa | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 10.10.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Estados Unidos

Hillary aumenta vantagem sobre Trump em nova pesquisa

Após divulgação de vídeo polêmico, sondagem mostra democrata 11 pontos à frente do republicano. Presidente da Câmara anuncia que se distanciará de Trump, e campanha vive sua mais grave crise na corrida à Casa Branca.

A candidata democrata à Casa Branca, Hillary Clinton, abriu 11 pontos de vantagem sobre o republicano Donald Trump em nova sondagem divulgada nesta segunda-feira (10/10).

Segundo a pesquisa, feita a pedido da NBC News e do Wall Street Journal, a ex-secretária de Estado aparece com 46% da preferência do eleitorado, enquanto a popularidade do magnata cai para 35%. Já o libertário Gary Johnson tem 9%, e a candidata verde Jill Stein, 2%.

Na disputa a dois, a margem de Hillary em relação a Trump aumenta para 14 pontos percentuais, 52% contra 38%. A sondagem tem uma margem de erro de 4,4 pontos percentuais.

A pesquisa foi realizada entre os dias 8 e 9 de outubro, antes do debate entre os dois candidatos na noite deste domingo, mas após a divulgação, na última sexta-feira, de um vídeo gravado em 2005 no qual o republicano se manifesta de maneira sexista e depreciativa em relação a mulheres.

Entre os entrevistados na pesquisa, 52% afirmaram que a gravação envolvendo Trump deve ser um tema abordado durante a campanha, enquanto 42% acreditam que não. Em sua defesa, o empresário minimizou o vídeo, chamando-o de "conversa de bastidores".

Paul Ryan se distanciará de Trump

De qualquer forma, Trump vem perdendo apoio entre os republicanos. O presidente da Câmara dos Representantes, Paul Ryan, declarou nesta segunda-feira que não vai retirar oficialmente o apoio ao candidato de seu partido, mas "deixará de defender" a campanha do magnata.

Citado pela imprensa americana, o porta-voz de Ryan, AshLee Strong, afirmou que o político "vai passar o próximo mês inteiramente focado em manter a maioria republicana no Congresso".

Na sexta-feira após a divulgação do vídeo, o presidente da Câmara cancelou o comparecimento de Trump ao que seria o primeiro ato conjunto de campanha de ambos no sábado, em Wisconsin.

"Estou indignado pelo que ouvi. As mulheres precisam ser defendidas e respeitadas, não objetificadas. Espero que Trump trate esta situação com a seriedade que merece e trabalhe para demonstrar ao país que respeita as mulheres muito mais do que sugere essa gravação", disse Ryan em comunicado.

EK/afp/abr/efe/lusa

Leia mais