1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Esporte

Hertha Berlim examina sua ligação com o nazismo

O clube de futebol da capital alemã encomendou um estudo sobre a influência nazista na época do Terceiro Reich. Os dirigentes consideram o resultado positivo.

default

Emblema do clube

"A equipe do Hertha não foi contagiada pelo nacional-socialismo", declarou o historiador Daniel Koerfer, da Universidade Livre de Berlim, contratado pelo clube da capital alemã para investigar seu passado.

"Não houve resistência contra o regime, mas também não foi registrado um entusiasmo fanático pelo partido e por seus líderes, além da admiração por Hitler até o início da Segunda Guerra Mundial", escreveu Koerfer em seu estudo de 70 páginas. "O Hertha não teve um posicionamento fortemente anti-semita, mas também não havia resistência contra as leis raciais decretadas pelo Estado do Terceiro Reich".

A grande maioria dos jogadores do Hertha não aderiu ao partido nazista e a maior parte dos 400 associados não teria simpatizado com o nazismo, aponta o estudo.

No entanto, os dirigentes do clube, incluindo Hans Pfeifer – que foi instalado como presidente para assegurar que a ideologia nazista fosse cumprida – ou já faziam parte do partido ou tornaram-se membros depois.

Sede no "Vermelho Wedding"

O estádio do clube situava-se no bairro operário de Wedding, ao norte de Berlim. "Isso deve ter nos protegido de sermos mais usados pelos nazistas", disse o presidente do clube, Bernd Schiphorst, também iniciador do estudo histórico.

No bairro que também era conhecido como "Vermelho Wedding" antes da Segunda Guerra Mundial, 75% da população votou a favor do Partido Comunista e dos social-democratas na eleição de 1932.

O presidente do Hertha salienta que o clube de futebol é freqüentemente associado à época nazista porque seu estádio foi construído por Albert Speer, arquiteto-chefe do regime de Hitler.

Histórias marcadas pelo nazismo

O jogador de maior sucesso na história do clube, Hanne Sobeck, que ajudou o Hertha a conquistar seus dois últimos títulos do campeonato alemão — em 1930 e 1932 — filiou-se ao partido nazista em 1940, mas manteve certa distância dele.

"Sobek protestou quando os membros judeus do clube foram proibidos de entrar no estádio, como resultado das políticas segregacionistas de Hitler e seus seguidores", escreveu Koerfer. "E não apenas isso, ele também continuou mantendo contato com os sócios judeus".

O médico judeu do time do Hertha foi deportado para o campo de concentração e extermínio de Auschwitz em 1943, onde foi assassinado. (ncy/ak)

Leia mais