1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Hanna Schygulla vai ao Brasil cantar com Bethânia

A atriz Hanna Schygulla está de partida para o Brasil, onde vai apresentar o espetáculo "Brecht... aqui e agora" e subir ao palco paulistano para cantar com Maria Bethânia

default

Hanna Schygulla, musa de Rainer Werner Fassbinder

"Apresentar-me ao lado de Bethânia é um sonho antigo, a voz dela sempre mexeu muito comigo", conta Hanna, que já esteve três vezes no Brasil. Em uma de suas visitas, no fim de 1997, a atriz-fetiche de Rainer Werner Fassbinder planejou montar o espetáculo Vidas Paralelas com a participação de Egberto Gismonti e direção de Bia Lessa. "Eu poderia interpretar Bertolt Brecht e Bethânia, Fernando Pessoa. Temos quase a mesma idade, levaríamos para o palco as nossas lembranças: a primeira canção, aquela que nos faz sonhar com o amor e assim por diante. Espero que um dia isso ainda aconteça, mesmo que num outro formato. A parte européia já estava organizada, mas o produtor brasileiro não levou o projeto adiante", lamentava a atriz há um ano, quando o projeto já era tido como esquecido.

Cinco anos foram necessários para a idéia amadurecer e Bia Lessa encontrar a ocasião ideal para promover o encontro. Ao ser convidada para dirigir a noite de entrega do prêmio ABIT Fashion Brasil, no dia 13 de maio em São Paulo, a diretora teve uma inspiração imediata: "Chegou a hora de Bethânia e Hanna cantarem juntas!". O repertório ainda não está definido, mas é certo que Hanna acompanhará a artista baiana em alguns clássicos da MPB.

Hanna Schygulla nunca estudou canto e usa a voz com a mesma naturalidade que a consagrou no cinema. Gostava de cantar desde criança, ouvia muito Lotte Lenya, mulher de Kurt Weill, e sempre foi apaixonada pela arte da francesa Edith Piaf. Afastada do cinema há oito anos, Hanna trabalha há seis como cantora e, desde o ano 2000, excursiona pela Europa com a peça Brecht... aqui e agora, que será exibida no dia 22 de maio no Cultura Artística, em São Paulo.

Nesta peça, criada a partir de um convite da Cité de la Musique – o principal núcleo de música de Paris – para homenagear o centenário de Kurt Weill (1900-1950), Hanna interpreta 15 canções de parceria de Bertolt Brecht com Kurt Weill e Hanns Eisler. O repertório inclui os clássicos Mackie Messer, Surabaya Jonny e Mahagonny.

Aos 58 anos, a musa do novo cinema alemão apresenta um espetáculo intimista, no qual estabelece um diálogo imaginário com Brecht e alinhava músicas dele com textos de sua própria autoria. "Para criar esta peça, busquei as marcas que Brecht deixou em mim, no que penso do amor e na forma como encaro a sociedade", diz Hanna. "Fui ao encontro do meu atalho mágico. Os lastros da memória estão sempre carregados da energia gerada pelas emoções e indicam o caminho para se criar a arte."

Links externos