1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Haider desconvidado após ofensa contra ministro alemão

Após exclusão do radical de direita austríaco, ministro alemão do Exterior comparece a fórum político em Berlim e exige melhores estruturas européias de segurança e defesa.

default

Extremista de direita austríaco Jörg Haider

O populista austríaco de extrema-direita Jörg Haider foi desconvidado do fórum de discussão política "Fazit: Europa", realizado na quarta-feira (5), em Berlim, por importantes instituições políticas e órgãos da mídia alemã. Segundo a justificativa dos organizadores, Haider se pronunciara "de forma inaceitável" sobre o ministro alemão do Exterior, Joschka Fischer.

"Simpatizante do terrorismo"

O governador do estado austríaco da Caríntia e ex-presidente do Partido da Liberdade da Áustria (FPÖ), de extrema-direita, havia chamado Fischer de "simpatizante do terrorismo". Após receber a notícia de que sua presença era indesejada no evento que reuniu altos políticos de diversos governos europeus em Berlim, Haider ainda reiterou suas acusações contra o ministro alemão.

Fischer seria "simpatizante da Fração do Exército Vermelho", organização terrorista de extrema-esquerda, responsável por diversos atentados cometidos na Alemanha na década de 70. Além disso, Fischer seria um "notório ofensor dos austríacos, por fomentar as injustas sanções da União Européia contra a Áustria".

Fischer por uma união de segurança européia

Joschka Fischer, que – após as declarações de Haider - havia se recusado a participar do evento, acabou confirmando sua presença. Ele se pronunciou sobre a necessidade de acelerar o processo de expansão da UE para o Leste Europeu, sobretudo diante da onda de extremismo de direita e de anti-semitismo que volta a assolar a Europa.

Para o ministro do Partido Verde, a UE deveria se fortalecer como união de segurança e defesa. Para isso, seria necessário desenvolver não apenas a capacidade de atuação civil e policial, mas também a de realizar operações militares. Por razões não apenas financeiras, a meta não seria – no entanto – desenvolver estruturas militares paralelas às da OTAN, ressalvou o ministro.